PT — LARRY ROMANOFF — Mudança de Valores Culturais — September 19, 2020

 

 

Mudança de Valores Culturais


 Por LARRY ROMANOFF – September 19, 2020

 

 

A maioria dos bens domésticos é produto de, e contém grande parte, da herança cultural e de valores de uma nação. Pode ser difícil encontrar muita cultura em uma caneta esferográfica, mas os bolos lunares chineses são todos cultura. Marcas e produtos que se tornam famosos, populares e até amados em uma nação ganham essa posição devido à herança cultural intrínseca neles embutida. Eles ressoam com a cultura, as tradições e os valores do povo. E na compra e venda do comércio internacional, essa miríade de produtos cruza os oceanos e percorre os continentes do mundo carregando sua bagagem cultural, com essa bagagem descarregada em uma e outra nação e assimilada em parte ou no todo por essas sociedades em uma adoção consciente ou inconsciente de seus valores culturais inerentes.

Grande parte dessa bagagem cultural é neutra, pois não diminui os elementos culturais indígenas, mas pode ser adicionada, talvez até em um sentido positivo. Os ocidentais abraçaram os hashi, dim sum e corridas de barcos-dragão, enquanto os chineses abraçaram o Dia dos Namorados e os enfeites das decorações de Natal, mas essas são adaptações superficiais de costumes estrangeiros charmosos e atraentes que não substituem a cultura local e, de fato, as tradições culturais subjacentes nem mesmo são compreendidas, muito menos adotadas. Os americanos podem gostar de assistir a danças do leão chinesas e fogos de artifício durante um festival de ano novo chinês, mas são apreciados apenas por seu apelo visual colorido, com os valores embutidos eliminados, com a cultura e filosofia subjacentes sem significado. É semelhante ao Natal na China, apreciado apenas por seu apelo visual colorido e pela oferta
de presentes para amigos, com as vastas tradições culturais e religiosas subjacentes eliminadas e irrelevantes. A inserção desses itens em uma cultura local é apenas superficial e tem sido realizada instintivamente pela sociedade local de uma forma não intrusiva, que não causa danos e não pretende substituir a cultura local.

Valores e atitudes estrangeiras às vezes são adotados localmente se forem reconhecidos pela população como superiores de alguma forma ou oferecedores de utilidade prática adicional. O ioga pode ser um exemplo de um produto estrangeiro adotado voluntariamente por pessoas de muitas culturas, e pelo menos incorporando parcialmente a filosofia e os valores subjacentes, um processo realizado por assimilação natural em vez de promoção. O mesmo ocorre com a adoção da Medicina Tradicional Chinesa no Ocidente. Mas a entrada de empresas estrangeiras nos mercados de uma nação também contém riscos, pois esses elementos culturais possuem uma capacidade poderosa de alterar e controlar os valores sociais domésticos, muitas vezes de forma prejudicial. Como tantas vezes dizemos, ‘o diabo está nos detalhes’, neste caso no marketing.

Existem três grandes diferenças entre a bagagem cultural americana, os valores embutidos nos produtos americanos e os de outras nações. A primeira é que os valores culturais americanos são falsos. Eles não existem na vida real, mas, como já vimos, são simplesmente ideais utópicos que não têm qualquer relação com a realidade do mundo dos
Estados Unidos. A segunda é que os valores americanos são fortemente politizados, com base nos mitos fabricados que sustentam a vasta ideologia político-religiosa americana. A terceira é que eles são predatórios, agressivos e beligerantes.

Os valores culturais nos produtos americanos não são apenas falsos e profundamente políticos, mas estão em uma espécie de missão de ‘busca e destruição’. Eles não ingressam em outras nações, 3…mas as invadem como um vírus, com a intenção de genocídio. Os americanos não promulgam suas crenças culturais para compartilhá-las com você, mas querem que a cultura e as crenças deles substituam as suas. Eles querem que você rejeite suas crenças, sua cultura e valores, e adote os deles, incluindo as idéias claramente falsas da supremacia e superioridade moral americanas, que são embutidas nos valores culturais de cada produto, política e sistema americano.

Os americanos estão tão imersos na crença em sua superioridade natural e excepcionalismo divino que se recusam a aceitar a validade ou mesmo o direito de existência de outras culturas. Essas convicções falsas e profundamente implantadas, combinadas com sua beligerância natural e totalmente infectadas com uma superioridade moral evangélica primitiva e distorcida, resultam não apenas em um desprezo aberto por outras culturas, mas em uma determinação temerária e até religiosa de eliminá-las. Por causa de sua intensa doutrinação e programação político-religiosa, os americanos simplesmente não podem tolerar uma cultura ou um sistema político-econômico diferente do seu e, em termos simples, converterão ou matarão qualquer coisa diferente deles. O conceito de “viver e deixar viver” não existe nos corações e mentes dos americanos ao lidar com o mundo fora de suas próprias fronteiras. O comércio americano e a religião americana são igualmente predatórios, igualmente agressivos e tão ávidos por conquistar e colonizar quanto os militares americanos.

A bagagem cultural vinculada aos produtos comerciais americanos é perigosa para outras nações e sociedades precisamente porque é política, supremacista branca, predatória e busca colonizar agressivamente. Os EUA são o único país que pratica essa política predatória, razão pela qual a maioria das nações considera os produtos e valores americanos tóxicos. A matriz americana destrói todas as culturas que toca. Este processo não é acidental, mas deliberado e cuidadosamente
planejado. Não é por acaso que, em um discurso descuidado, um executivo de uma associação industrial americana recentemente afirmou, em nome dos americanos, que “Vamos colonizar a China por meio de produtos“. O homem sabia exatamente o que estava dizendo. O legislador neoconservador judeu-americano Robert Kagan admitiu abertamente que o objetivo do Ocidente é o colapso do governo da China. Ele escreveu: “Ao abraçar os chineses, ao exportar nossos costumes ocidentais através de nossos bens ocidentais, nós os derrubaremos.” Essas não são reivindicações vãs, e o elemento de desestabilização e controle políticos contido nelas não pode ser ignorado.

Um americano escreveu o seguinte: “A China tem uma escolha: pode aceitar os valores ocidentais ou pode tentar esculpir uma esfera no Leste Asiático para se isolar deles. O segundo caminho provocaria conflito não apenas com os EUA, mas também com outras potências asiáticas. O melhor futuro possível da China, portanto, provavelmente reside em aceitar as normas ocidentais enquanto tenta temperá-las com “características chinesas”.” Esse ponto de vista está essencialmente afirmando que não há outras alternativas possíveis, que os chineses podem escolher se tornar americanos e aceitar todos os “valores” americanos, ou arriscar que os Estados Unidos declarem guerra à China por recusar serem assimilados.

Por meio de seu imenso poder de marketing, essas empresas estão tentando transformar o mundo em uma massa homogênea de clones americanos, todos com os mesmos desejos superficiais, fabricados e sem valor. Existem graves perigos à espreita nesta colonização sub-reptícia de uma nação, inculcando valores estrangeiros fabricados destinados a mudar o pensamento do povo de uma nação, fazê-los abandonar sua própria herança, silenciar seu próprio bom senso e adotar valores estranhos, muitas vezes tolos, e quase sempre vazios. As empresas americanas não querem ser lucrativas na China; querem dominar os mercados da China. O comércio americano não entra na China para fazer negócios, mas para colonizá-la, para oprimir e dominar todos os segmentos do mercado, controlar o mercado, os produtos e os preços e, eventualmente, a cultura. É tudo uma questão de supremacia e dominação.

Já discuti em outro lugar a colonização das Filipinas pelos Estados Unidos, onde os americanos começaram forçando sua língua à população, depois literatura, história falsa e propaganda e, por fim, produtos americanos. Eles passaram décadas determinando a melhor maneira de propagandear uma nação inteira de pessoas para esquecer seu próprio passado, venerar seu status colonial atual e aprender a adorar os americanos. Os americanos então reescreveram os livros de história para apagar da consciência os heróis, tradições e esperanças dessas nações de se libertarem do imperialismo americano. Dizer que os americanos tiveram sucesso seria um eufemismo grosseiro. É quase de partir o coração ler hoje o comentário americano sobre as Filipinas, virtualmente classificando essa nação como um estado falido, identificando a falta de progresso e aparente ausência de coesão social e culpando a cultura da nação por essas falhas. Alguns anos atrás, James Fallows escreveu um artigo surpreendentemente insensível e ignorante  sobre as Filipinas intitulado “A Damaged Culture” que, para mim, era tipicamente a ideologia americana da supremacia cega e branca mascarada como perspicácia e sabedoria. Fallows comentou sobre “as perspectivas sombrias” para aquela nação com a clássica arrogância de culpar a vítima. Os Estados Unidos fizeram todo o possível para destruir e sobrescrever toda a cultura daquela nação, mas Fallows não vê nada disso em sua repugnante superioridade moral. Outro artigo apareceu no início de 2014, escrito por Richard Javad Heydarian e intitulado “Why the Philippines Failed”, que tinha aproximadamente a mesma atitude, culpando as pessoas e sua cultura. Ele nos diz que outras nações “abandonaram os maus hábitos” e prosperaram, mas não foram os maus hábitos que essas nações abandonaram, mas sim a pressão da colonização cultural americana. O Japão hoje é bem-sucedido porque é japonês e não “americano”, como acontece com a Coréia e outras nações mencionadas. Ambos culpam tudo o que se possa imaginar, exceto a causa real – a brutal tentativa americana de colonização cultural das Filipinas e o esforço deliberado e combinado para destruir e sobrescrever sua herança cultural.

O mesmo processo ocorreu nos Estados Unidos e Canadá com as populações nativas: tentativas ignorantes, imprudentes e desumanas de sobrescrever a cultura de um povo, todas as quais falharam miseravelmente, deixando os restos de um povo outrora independente e orgulhoso como nada além de bêbados exauridos. A velha cultura foi amplamente destruída, mas a nova versão não pegou, deixando uma nação inteira de pessoas sem parte de suas almas, de uma forma que não pode ser reparada. Os australianos fizeram o mesmo com seus povos aborígenes, rapidamente recorrendoà morte deles quando ficou claro que a cultura ocidental não seria devidamente absorvida. Só a sorte impediu que essas pessoas fossem totalmente exterminadas. A Nova Zelândia agiu melhor, enfrentando a realidade e vivendo com ela, mas quase nenhum povo ocidental tem se disposto a fazer isso.

Certamente deve ser óbvio para pessoas pensantes em algum lugar que a cultura de uma nação não pode ser substituída sem danificar permanentemente a psique nacional de maneiras que talvez nunca possam ser reparadas. Os Estados Unidos invadiram a alma das Filipinas como em nenhum outro país, uma experiência grotesca que falhou miseravelmente e agora atribuem toda a culpa às falhas na “cultura do povo”. Chineses e russos, alemães e italianos, holandeses e vietnamitas, são pessoas totalmente diferentes em sua essência, devido à sua cultura. Como uma indicação das raízes profundas e dos valores sutis embutidos na cultura de uma nação, é um axioma que os ingleses afirmam estar apenas começando a entender suas esposas francesas após 25 anos de casamento.

Tentar sobrescrever à força a cultura italiana com uma alemã, ou a chinesa com a americana, deixaria uma psique nacional que nada mais é do que uma confusão social esquizofrênica que pode nunca se consertar. As pessoas sobreviveriam, mas nada seria natural ou normal para elas. Em termos simples, eles não saberiam onde é o norte e, eventualmente, a sociedade deixaria de funcionar normalmente. E, no entanto, é isso que os americanos e suas contrapartes sionistas fazem tão deliberada e inescrupulosamente a outras nações, movidos pela ganância e por sua superioridade moral infernal a alimentar seu desejo de dominação. Pior ainda, a verdadeira tragédia é que os americanos não têm cultura. Eles tentam substituir à força uma herança cultural real de uma nação real por uma mistura utópica fictícia que é inteiramente falsa, superficial e hipócrita, com os chamados ‘valores’ que os próprios americanos ignoram totalmente na prática. Os britânicos fizeram o mesmo com a Índia, é por isso que temos a confusão esquizofrênica naquele país, os indianos agora não sabem se são ocidentais ou orientais, e esse é um dos principais problemas de Hong Kong hoje.

Uma resenha na Amazon.com do livro de Ethan Watters, ‘Crazy like us: the globalization of the American psyche’, afirma que “A consequência mais devastadora da disseminação da cultura americana em todo o mundo não foram nossos arcos de ouro ou nossas crateras de bombas, mas nossa destruição da própria psique humana … Ao ensinar o resto do mundo a pensar como nós, temos homogeneizado a maneira como o mundo enlouquece.” E em seu longo livro Tragedy and Hope, Carroll Quigley escreveu:

O impacto destrutivo da civilização ocidental sobre tantas outras sociedades repousa em sua capacidade de desmoralizar sua cultura ideológica e espiritual, tanto quanto em destruí-las no sentido material com armas de fogo. Os americanos são especialistas em ambos. Quando uma sociedade é destruída pelo impacto de outra sociedade, as pessoas ficam em um entulho de elementos culturais derivados de sua própria cultura estilhaçada, bem como da cultura invasora. Esses elementos geralmente fornecem os instrumentos para atender às necessidades materiais dessas pessoas, mas não podem ser organizados em uma sociedade funcional pela falta de uma ideologia e coesão espiritual. Essas pessoas morrem ou são incorporadas como indivíduos e pequenos grupos em alguma outra cultura, cuja ideologia eles adotam …”.

Quigley deveria ter afirmado mais claramente que, neste processo, a própria sociedade é destruída, sem possibilidade de ressurreição. Ele também deveria ter declarado claramente que essa planejada destruição das culturas das nações é um modelo desenhado pelos judeus sionistas europeus e imposto ao mundo através do poder (primeiro) dos militares britânicos e depois pela diplomacia das canhoneiras dos Estados Unidos.

Menciono isso aqui por um motivo suplementar, que tratarei com mais detalhes em um artigo posterior, relacionado a Hong Kong, onde os britânicos fizeram aos chineses exatamente o que os americanos fizeram à população das Filipinas: eles tentaram colonizar as almas das pessoas, e falharam. O principal fator subjacente a muitos dos problemas e sintomas de Hong Kong hoje, mais especialmente os elementos políticos, foi este programa secular de genocídio cultural que deixou em seu rastro uma angústia emocional esquizofrênica, de que o governo dos EUA está hoje tirando proveito o quanto possível. Os britânicos seguiram os ensinamentos de Lippman eBernays tão completamente quanto os americanos, primeiro forçando a mudança na língua nacional, depois fazendo o possível para forçar a população de Hong Kong a esquecer seu próprio passado, venerar seu status colonial e aprender a adorar o imperio Britânico. Hong Kong tinha um obstáculo para os britânicos que os americanos não tiveram nas Filipinas, que foi a guerra civil de Hong Kong no final dos anos 1960, resultado direto da destruição cultural selvagem do povo chinês. Existem muitos chineses idosos em Hong Kong hoje que podem dizer como eram abordados por pequenas crianças brancas, cuspidos e chamados de “cachorro amarelo sujo”. Foi a indignação reprimida de um século de humilhação e ataque cultural que explodiu em uma guerra de oito meses que deixou Hong Kong incontrolável e com as tropas chinesas concentradas na fronteira para evitar um transbordamento para o continente.

Poucas pessoas, e nenhum jovem, em Hong Kong tem qualquer conhecimento desta parte de sua história porque os britânicos fizeram o que os americanos fizeram – eles queimaram todos os livros de história e reescreveram a história de Hong Kong em uma tentativa de apagar seu passado sórdido da consciência do povo de Hong Kong. Hoje, a maioria das pessoas em Hong Kong acredita que sua guerra civil foi apenas um ‘distúrbio’ criado por ‘esquerdistas’ da China continental, uma das muitas mentiras que ouviram sobre sua própria história. É de partir o coração olhar para Hong Kong hoje, ver tanto a causa como os efeitos, e a falta de compreensão do pavor existencial que infecta aquela cidade, a incerteza, ansiedade e medo que se manifestam nas pueris demonstrações políticas incitadas e financiadas pelos americanos, o racismo e até ódio aos chineses do continente – ódio ao seu próprio povo, a si mesmos – o transbordamento esquizofrênico de um século de reprogramação psíquica fracassada. Em nome do ganho político barato, Hong Kong como um todo está sendo fortemente pressionado pelos americanos e pela mídia de propriedade judaica a abandonar sua própria civilização e identidade nacional e a adotar valores americanos repreensivelmente falsos. O povo de Hong Kong hoje tem pouco ou nenhum entendimento disso e está sendo pressionado a fazer escolhas que no final irá rompê-los emocionalmente. Tudo para dar aos internacionalistas uma plataforma a partir da qual possam esfaquear a China por baixo.

Como observei em outro lugar, o sistema educacional americano é um dos principais canais para a transmissão desses valores tóxicos para cidadãos de outras nações, incluindo até o próprio sistema de testes. No final de 2014, uma treinadora chinesa do SAT, Kelly Yang, escreveu que “o novo teste (SAT), com sua forte ênfase no conhecimento dos documentos fundadores do país e das liberdades civis, tem o potencial de mudar a mentalidade e a visão de mundo de uma geração inteira da juventude chinesa”. Ela está absolutamente correta em sua avaliação e acho profundamente preocupante que muitas pessoas optem por ignorar avisos informados como os dela. Em particular, Wang Xiangbo, vice-presidente do College Board, tolamente tentou descartar as preocupações de que o SAT redesenhado doutrinaria estudantes chineses, alegando que “um dos requisitos básicos desses testes de avaliação ‘é não mostrar qualquer parcialidade'”, uma alegação tão obviamente desonesta a ponto de ser ofensiva. Pior ainda, todo o currículo educacional dos Estados Unidos, seja nos Estados Unidos ou por meio de instituições educacionais americanas residentes na China, está tão carregado de ideologia política que muitas vezes é difícil respirar.

Esta é uma das razões pelas quais as empresas de pesquisa americanas como Pew, Gallup, Edelman e Nielsen conduzem pesquisas e enquetes públicas na China; elas são contratadas para procurar as chaves que produzirão a ressonância cultural mais eficaz. A Pew e a Edelman, especialmente, fazem pesquisas regulares na China, tentando descobrir quaisquer pontos fracos no sentimento público chinês para que as agências governamentais dos EUA possam saber melhor aonde direcionar suas flechas de colonização. Elas questionam repetidamente os chineses sobre suas esperanças para o futuro, sobre sua lealdade ao país, sua satisfação com o governo da China, suas percepções sobre educação, lealdade familiar, seguridade social, assistência médica, como alvos potenciais para a assimilação cultural. Você não deve subestimar isso e não deve participar de nenhuma das pesquisas porque, se o fizer, estará dando a eles a corda que usarão para te enforcar.

Essas empresas de pesquisa americanas não realizam essas pesquisas em todas as nações, mas quase exclusivamente em países como China e Rússia, pois tanto a China quanto a Rússia são alvos de desestabilização e colapso, e essas empresas têm a tarefa de encontrar os pontos fracos. Este é mais um resultado das descobertas e ensinamentos de Lippman e Bernays. Assim como a P&G fez com seus Pampers, incontáveis departamentos, agências e ONGs do governo americano estão procurando por medos ou fraquezas ocultas, para então fabricar temas-chave que ressoarão com a população chinesa e para promover “valores americanos” que sobrescrevam os próprios valores e a cultura da China. Empresas como a Bain & Company e a Kantar Retail fazem algo semelhante, coleta de informações de chineses locais para informar às empresas americanas como estão se saindo ao excluir bens de consumo de alta rotatividade e outros produtos domésticos de uma parcela de seu próprio mercado. Mais uma vez, não há necessidade de os cidadãos chineses participarem dessas enquetes pessoais realizadas por empresas americanas, porque as implicações políticas estão quase sempre ausentes.

Em 2014, a UCLA publicou um estudo sobre o exame das mudanças nos valores culturais da China durante os últimos 40 anos e avaliou até que ponto os chineses estão se americanizando. Os autores do estudo, a professora Patricia Greenfield e Zeng Rong, estudante de graduação na Beijing Normal University da China e pesquisador-visitante da UCLA, usaram o Ngram Viewer da Google, uma ferramenta que verifica a frequência de palavras de livros digitalizados, para examinar quase 300.000 livros que foram publicados em chinês, determinar a frequência crescente de termos como “escolher, pegar, competir, privado, inovação”, igualando a frequência de uso dessas palavras como equivalente
ao fato de o povo chinês se tornar mais individualista, materialista, capitalista e menos preocupado com a sociedade, a família e o bem geral da nação. Em outras palavras, passando por uma mudança dramática nos valores pessoais em direção ao modelo consumista-asssassino americano. Isso poderia ser menos preocupante se o objetivo fosse puramente o estudo acadêmico, mas tudo nos Estados Unidos é fortemente politizado, e os resultados deste estudo encontrarão seu caminho até o mundo da publicidade, do Departamento de Estado e da CIA, das ONGs e muitos outros lugares preocupantes.

Qualquer que seja a intenção dessa pesquisa, ela acabará sendo usada como uma ferramenta de avaliação do sucesso da propaganda americana que está inundando a China com o único propósito de mudar os valores culturais da China. Isso não é algo pequeno. Você pode notar a seriedade e determinação desses americanos, ao examinarem mais de meio milhão de livros chineses, em seguida, selecionado, digitalizado e examinado quase 300.000 deles, na tentativa de descobrir até que ponto os valores chineses estão mudando para coincidir com aqueles desejados pelos americanos. Zeng deveria saber que não deveria participar de algo assim, funcionando apenas como uma ferramenta para expor ainda mais a China à colonização cultural americana.

Poucas pessoas, mesmo dentro da China, percebem a profundidade que isso chega. Os americanos assistem e gravam cada palavra falada por todos os líderes chineses, em seguida, procuram palavras-chave para avaliar a eficácia de sua propaganda dentro da China. Eles registram e publicam, por exemplo, cada vez que um líder chinês usa as palavras ‘inovar’, ou ‘reestruturar’, ou ‘reequilibrar’ ou ‘privatizar’, e fazem o mesmo com a mídia chinesa para determinar até que ponto suas mensagens de propaganda estão atravessando. Eles contam as palavras e comparam os totais com os do mês anterior e do ano anterior. Nesse ínterim, virtualmente todos os americanos na China estão enchendo os ouvidos de todos os funcionários disponíveis do governo sobre a necessidade de interromper o desenvolvimento da China e se tornar um clone americano.

A Neilson realizou recentemente uma pesquisa na China (provavelmente para o Citibank) mostrando que apenas 13% dos chineses já fizeram um empréstimo bancário, o principal obstáculo sendo que os chineses “não gostam da sensação de estarem endividados”. Os chineses também são avessos a pagar juros sobre dívidas, porque muitos fazem seus empréstimos sem juros dentro da família. Você não precisa ser muito inteligente para imaginar o ângulo de publicidade que um Citibank usará para aumentar seus lucros com empréstimos. A primeira tarefa é mudar seu sistema de valores para glorificar a dívida, rebatizando-a como “liberdade” e “independência”, e “sendo o responsável por sua vida”. Mas tudo que você precisa fazer é pensar. Ninguém que está endividado é ‘livre’. Uma coisa é dever dinheiro por uma casa ou outro ativo que vai aumentar de valor e onde a dívida é uma pequena porção do valor total. Você ainda não é ‘livre’, embora esteja seguro. Mas ao ouvir o Citibank e pedir dinheiro emprestado para consumo, como para um carro, ou usar o cartão de crédito ao máximo, onde está a ‘liberdade’? Os bens adquiridos a crédito são consumidos ou não têm valor residual, e o valor de revenda do carro está caindo como uma pedra, deixando apenas passivos sem nenhum ativo correspondente. Como, exatamente, isso representa liberdade ou independência, ou todas as outras palavras boas do Citibank?

O People’s Daily publicou um artigo sobre essa pesquisa, repetindo as palavras do CEO da Neilson, dizendo que “o sucesso requer uma compreensão aguçada da mudança dos hábitos de consumo”. Sim, mas não são os ‘hábitos’ de consumo que serão mudados, mas os valores culturais da China e os americanos, graças a Bernays, realmente têm “uma compreensão aguda” de como mudar seus valores. O artigo então afirma tolamente: “Os consumidores chineses terão uma nova compreensão dos empréstimos e seu consumo será estimulado”. Faço duas exceções violentas a esta afirmação. Primeiro, a insinuação é que os chineses não são suficientemente sofisticados para apreciar adequadamente o valor americano da dívida como um modo de vida e, portanto, devem ser ensinados a “compreender” os benefícios religiosos de dever mais dinheiro do que podem pagar. A segunda é a afirmação de que, tendo aceitado a dívida como um novo “valor”, os chineses tomarão emprestado até o limite e gastarão o dinheiro em bens de consumo americanos inúteis. Em resposta, acho que é necessário dizer sem rodeios que pedir dinheiro emprestado para investimento pode ser sensato; pedir dinheiro emprestado para consumo, e isso inclui carros, costuma ser uma amostra de raciocínio equivocado. O artigo termina com o conselho esperançoso de que, se os chineses são tolos o suficiente para serem seduzidos pela promoção americana da dívida pessoal de consumo como um valor social, “isso vai acelerar a transformação econômica da China”, como de fato faria – a uma inútil sociedade de sem-tetos perdulária orientada para o consumo, como os EUA. É isso que você deseja para o futuro dos seus filhos ou para a China? Fiquei muito decepcionado com o People’s Daily, não tanto por publicar o artigo, mas pela espantosa demonstração de ignorância ingênua.

A equipe do Citibank pesquisou a composição psicológica dos jovens chineses, especialmente os de 25 a 35 anos na “classe afluente emergente”, tendo concluído que sua mentalidade é “Eu sou o rei” e que esses jovens constituem a geração “eu, eu, eu” e estão pedindo “mais, mais mais”. De acordo com o Citibank, eles obtêm prestígio não por possuir coisas, mas por ter experiências que outras pessoas não têm, e isso significa dar a eles “um elevado senso de status premium” com cartões de crédito. O “insight fundamental” do Citibank sobre esses jovens é que eles desejam ser reconhecidos e respeitados, daí o slogan: “Você está pronto para o mundo e o mundo está pronto para você. Salas VIP em todo o mundo estão prontas para recebê-lo. Top restaurantes gourmet estão prontos para acomodá-lo. Todas as companhias aéreas estão prontas para recebê-lo a bordo. O mundo conhece você antes que você perceba. Tudo que você precisa é … pegar seu cartão de crédito Citi e mergulhar nele.” O Citibank está preparando para encher a cabeça dos jovens com a tentação charmosa de que” você merece ter tudo hoje”, e que “o mundo está à sua espera”.

Por mais que me doa discordar do Citibank, você não merece ter tudo hoje. Você não merece até trabalhar para isso e economizar dinheiro para pagar por isso. Talvez de forma ainda mais decepcionante, o mundo não está realmente esperando por você. O mundo nem sabe que você existe e, se soubesse, não se importaria. Além disso, um cartão de crédito não faz de você um VIP, não importa o que o Citibank diga. Você é apenas mais um garoto burro com um cartão de crédito, e há outros 300 milhões na China assim como você. Essa é a verdade. Viva com isso.

O Citibank e as firmas de financiamento de automóveis só querem seu dinheiro, e se você falir ou perder sua casa no processo, é uma pena. Antes do colapso econômico e social em 2008, o Citibank estava na vanguarda ao incentivar os americanos a extrair e gastar o valor agregado de suas casas, o que é em grande parte a razão pela qual dezenas de milhões perderam suas casas quando os preços de mercado despencaram. Esse era o plano do Citibank nos Estados Unidos e é o plano do Citibank na China. Nos Estados Unidos, os banqueiros e propagandistas tiveram sucesso a ponto de os americanos serem as pessoas mais endividadas do mundo, devendo várias vezes sua renda anual em cartão de crédito e outras dívidas de consumo.

Considere o hábito chinês de poupança. A mídia ocidental nos diz que os chineses economizam dinheiro apenas porque a ‘rede de segurança social’ ainda não é forte o suficiente, mas isso é falso e egoísta. A poupança é uma virtude quase embutida no DNA chinês. Mas o Citibank, mesmo com sua (até agora) pequena exposição pública, já está promulgando um dos três valores mais valiosos dos Estados Unidos, o de viver eternamente endividado. Embora a maioria dos chineses deteste o sentimento de estar em dívida, tais pensamentos podem facilmente criar raízes em um público inexperiente e, com o tempo, podem resultar em mudanças culturais dramáticas em detrimento da sociedade como um todo. Claro, os departamentos de marketing e RP dos bancos zombarão dessas afirmações, mas basta olhar para a cultura perdulária nos Estados Unidos e Canadá para entender o quão bem-sucedidas são essas abordagens de marketing. Estatísticas recentes mostram que a família americana média tem dívidas hipotecárias de cerca de US$ 175.000, empréstimos estudantis de quase US$ 50.000, empréstimos para automóveis de quase US$ 30.000 e dívidas de cartão de crédito de mais de US$ 15.000. O Canadá e o Reino Unido são quase o mesmo. E se a China ouvir os americanos e permitir que eles sobrescrevam essa parte fundamental da cultura chinesa, todos nós podemos adivinhar onde a China estará em dez anos. A solução é não ouvir, entender quais são seus valores essenciais e não permitir que banqueiros estrangeiros gananciosos os alterem.

Já vemos essa colonização cultural em muitas áreas. Empresas estrangeiras de cosméticos como a L’Oreal são notavelmente culpadas, especialmente por suas campanhas inteligentes para promover produtos de maquiagem e cuidados com a pele para homens jovens. Um menino que pensa que pele bonita é uma virtude precisa ter uma longa conversa com o pai, e rápido. Outro exemplo são as empresas farmacêuticas estrangeiras que vendem seus produtos na China. De acordo com uma dessas empresas, as pílulas anticoncepcionais não são para prevenir gravidez indesejada, mas têm tudo a ver com “liberdade” e “empoderamento” e “assumir o controle de seu corpo” e outros “valores” americanos sem sentido. Isso é culturalmente perigoso, a tentativa de colonização de uma nação por meio de radiodifusão de valores estrangeiros e, neste caso, tolos, para mudar o pensamento do povo de uma nação.

Para que você não pense que estou exagerando sobre as ameaças à sociedade e aos valores, deixe-me contar uma história do Canadá. Vários anos atrás, os principais bancos canadenses conspiraram e conceberam o que era em sua opinião uma estrada real para a riqueza, obtendo (ilegalmente) informações pessoais de todos os estudantes universitários no país, incluindo endereços de correspondência, e enviaram a cada aluno um cartão de crédito. Isso foi feito sem solicitação dos alunos, sem inscrição e sem verificação de crédito; apenas cartões de crédito gratuitos dos bancos que aparecem na caixa de correio como um presente do céu. Você pode imaginar o resultado. Incontáveis milhares de crianças, jovens, imaturos e irrefletidos, sem experiência financeira, sem educação para lidar com dívidas e sem supervisão ou fiscalização. E muito rapidamente incontáveis milhares de jovens estudantes e recém-formados iniciando suas carreiras no tribunal de falências, com uma classificação de crédito quebrada e, muitas vezes, com o cancelamento de seus estudos. Este seria um bom estudo de caso em capitalismo de livre mercado e “deixando o mercado decidir”. Conforme os resultados se tornaram publicamente visíveis, o governo canadense tentou, sem sucesso, fazer com que os bancos controlassem o que era claramente um processo socialmente destrutivo que não apenas alterava de forma prejudicial a cultura e os valores de toda uma nova geração, mas estava devastando um grande número de vidas jovens. Então, em uma demonstração surpreendente de sanidade e responsabilidade, o governo aprovou uma lei determinando que qualquer cartão de crédito recebido sem um pedido e o devido requerimento assinado poderia ser usado até o limite máximo, sem que o usuário tivesse responsabilidade pelo reembolso da dívida. Todos os cartões de crédito estudantis foram cancelados pelos bancos e desapareceram da noite para o dia, e a vida lentamente voltou ao normal. Hoje, esse ato governamental “socialista” seria uma façanha impossível, porque nenhum político ocidental teria a coragem de assumir uma postura tão agressivamente desafiadora contra os grandes bancos ou grandes multinacionais. Eles seriam intimidados, subornados, comprados, oprimidos e ameaçados de destruição pessoal muito antes de tais propostas serem apresentadas ao legislativo.

É assustador ver que isso já está acontecendo na China com os automóveis. Jovens estudantes e graduados chineses estão sendo cada vez mais visados e persuadidos a abandonar seus sonhos culturais de comprar uma casa em preparação para o casamento, pela tentação de ser um cidadão do mundo moderno e ‘ter tudo agora’ comprando um carro hoje – e principalmente em dívida. Este é o padrão comum para os Estados Unidos hoje, onde 80% a 90% de todos os automóveis são comprados na maior parte ou inteiramente com dinheiro emprestado, e a oferta é realmente tentadora para quase todo jovem com seu primeiro emprego e dinheiro, porque ele é imaturo. As montadoras americanas incentivam o financiamento de dívidas para a compra de automóveis porque é muito lucrativo. A GM ganha três vezes mais dinheiro com financiamento do que com a venda de seus carros. Os automóveis estrangeiros na China já estão fortemente superfaturados, e o financiamento irá adicionar outros 20% ou mais ao custo, sendo que a maioria dos esquemas de financiamento de automóveis está às margens da lei e consiste principalmente em publicidade fraudulenta. A prática de empurrar dívida de consumidor principalmente para jovens na China que têm pouca ou nenhuma experiência com dívidas deve ser fortemente controlada ou proibida de imediato, sem nenhuma consideração aos agiotas, uma vez que a dívida do consumidor é um dos mais predatórios e socialmente destrutivos de todos os “valores” americanos. É especialmente preocupante que os revendedores de automóveis estejam se concentrando fortemente nos estudantes universitários, que são os mais desavisados e vulneráveis, os mais propensos a exibir julgamento insatisfatório e os mais fáceis de enganar.

Em uma reportagem da mídia, Cao Xiang, gerente geral da Shanghai Fande Automotive, uma concessionária das marcas BMW e Mini, disse que pelo menos quatro em cada 10 carros que sua empresa vende são financiados. “O financiamento de automóveis parece atraente para consumidores mais jovens e mais atentos às tendências internacionais. Essas pessoas não têm tempo suficiente para economizar ou querem gerenciar o fluxo de caixa de uma forma mais flexível.” Isso não é verdade. Não é o financiamento de automóveis que “parece atraente” para os jovens, mas o automóvel em si, e essa atração não é o resultado de estar “mais atento às tendências internacionais”, mas de ser jovem e tolo e não ter dinheiro. Afirmar que um estudante universitário ou um recém-formado comprando um primeiro carro seria tão sofisticado a ponto de utilizar dívidas porque deseja ‘administrar o fluxo de caixa de uma forma mais flexível’ de acordo com ‘padrões internacionais sofisticados’ é uma mentira que deve ser punida por açoitamento público. Nenhum estudante chinês devia ser autorizado a se formar em uma universidade, até que possa demonstrar uma apreciação completa do fato de que os termos ‘concessionário de automóveis’ e ‘ladrão ordinário incorrigível’ são sinônimos intercambiáveis. Da mesma forma, nenhum estudante chinês devia ter permissão para se formar sem uma compreensão comprovada de que a dívida do consumidor é uma doença, não uma cura.

Um dos conjuntos de valores mais importantes na China tem sido o relacionado à família extensa, mas os valores familiares e as atitudes com relação à família são muito diferentes nos Estados Unidos e em grande parte do mundo ocidental. Nos países ocidentais, nem os pais nem parentes normalmente ajudam seus filhos a comprar uma casa. Quando as crianças saem de casa após a formatura, estão sozinhas e devem cuidar de si mesmas da melhor maneira possível. Uma família rica pode ajudar seus filhos com dinheiro, mas isso é incomum em outros círculos. Nos Estados Unidos e na maior parte do Ocidente, nunca esperaríamos, e quase nunca pediríamos, que pais, irmãos ou irmãs, tios ou primos nos emprestem dinheiro para ajudar na compra de uma casa. Não emprestamos dinheiro a familiares mais do que emprestaríamos a amigos ou estranhos. Se você precisa de dinheiro, vá ao banco. Da mesma forma, somos responsáveis por nossos próprios filhos e a família extensa não está envolvida no processo. Os pais raramente servem de babás dos filhos, talvez ocasionalmente por algumas horas ou dias de cada vez, mas fazer mais seria incomum. Isso geralmente significa contratar uma babá em tempo integral ou levar a criança a uma creche, geralmente a partir da idade de alguns meses, para que a mãe possa voltar ao trabalho. Nossos filhos muitas vezes são criados por estranhos que podem ou não ser boas mães, e que muitas vezes podem ter atitudes ou valores muito diferentes dos nossos. Essas creches, que são empresas e não serviços sociais, normalmente contratam a mão de obra mais barata disponível, geralmente de novos imigrantes, refugiados e da classe mais baixa. Os perigos e dificuldades são óbvios. Nos países ocidentais de língua inglesa, é extremamente raro que famílias vivam juntas ou que os pais vivam com seus filhos, estando a questão parcialmente ligada a questões de soberania e individualismo, características essas que são em grande parte responsáveis pela diferença nos valores familiares. Esses arranjos quase sempre levam a antagonismo e conflito. Também, o senso de responsabilidade ocidental para com os pais ou avós é muito diferente da tradição chinesa de crianças cuidando e apoiando seus pais idosos, uma área em que os valores culturais americanos serão destrutivos para os chineses.

As empresas de saúde americanas estão promovendo intensamente asilos na China, devido ao enorme potencial de lucros. Mas, para terem sucesso na China, eles devem primeiro embarcar em um programa para mudar os valores dos jovens chineses até ao ponto de que abandonar a responsabilidade para com seus pais seja a melhor maneira de cumpri-la. Se considerarmos as ambições das empresas americanas na China e examinarmos criticamente sua abordagem, veremos tentativas ousadas de colonização cultural em grande escala, e quase toda essa bagagem cultural será tóxica para a China e devastadora para a cultura e família chinesas. Essas tradições e atitudes que não existem em grande parte do Ocidente são parte do tesouro da cultura chinesa e uma parte importante da herança da China. São precisamente esses valores familiares que as corporações americanas querem atacar e destruir, porque não haverá lucro enquanto existir essa lealdade familiar. Executivos de corporações americanas estão bem cientes dos valores culturais chineses e obtiveram muita assistência de psicólogos e outros para
atacar e mudar os valores de uma sociedade.
Eles apresentarão seu produto com base na responsabilidade e na “liberdade”, tudo em termos de
valores americanos que eles precisam que você adote e internalize antes que possam esperar que você aceite os valores culturais deles e o “modo de vida americano”. E eles terão sucesso, se você permitir.

Um exemplo perfeito de colonização cultural tóxica foi relatado na mídia chinesa em julho de 2014, sendo este um esquema de “casa-para-pensão” que encorajava idosos chineses a transferirem a propriedade total de suas casas para uma corporação privada de abutres em troca de algum dinheiro extra em mãos e o “direito” de continuar morando na casa, mas com responsabilidade pela manutenção e passível de perda. Um projeto piloto envolvendo seguradoras foi iniciado em Xangai, Pequim, Guangzhou e Wuhan, onde supostamente foi recebido com “rejeição absoluta”, como tanto merecia. Devo dizer que a leitura desse plano me deixou nervoso. Uma casa é o principal bem e a segurança de todos os chineses e é um legado para seus filhos depois que morrerem. Dificilmente poderia imaginar um ataque mais frontal às tradições e cultura chinesas, ou uma traição maior ao povo chinês, do que promover um esquema tão idiota. Não há como essa abominação ter se originado na China; esta é uma atitude muito judaica, em que os abutres e vampiros circundam os vulneráveis, procurando por um fluxo de receita onde quer que possam encontrar, independentemente dos custos sociais ou humanos. Qualquer proprietário pode obter uma hipoteca bancária sobre o valor parcial de uma casa, a um custo muito menor e sem risco, em comparação ao que estava sendo proposto. E na maioria das vezes, se precisarem de dinheiro, podem fazer isso dentro da família, sem custo e sem risco. Esta é realmente uma traição ao povo chinês e um bom exemplo de financistas chineses que foram infectados terminalmente pelos valores americanos de ganância e capitalismo anti-social. Existem maneiras suficientes de as seguradoras na China obterem lucros sem predar os idosos. Como Warren Buffet disse uma vez: “Há dinheiro suficiente para ser encontrado no meio da estrada. Você não precisa olhar nas valas”. As pessoas que chocaram esse ovo abandonado por Deus, incluindo os chineses que participaram, deveriam ter sido presas sob a acusação de traição e, em seguida, fuziladas, juntamente com os funcionários governamentais que aprovaram.

As infecções culturais tóxicas nunca terão fim enquanto os americanos e judeus estiverem na China. Automóveis americanos ruins são vendidos na China como acessórios de moda que magicamente contêm “liberdade” e “independência”. Hoje, as empresas farmacêuticas americanas dizem às jovens chinesas que os anticoncepcionais orais não são para prevenir a gravidez indesejada, mas são, magicamente, um bilhete para a mesma “liberdade” e “independência”, com os benefícios adicionais de serem “empoderadas” e “assumirem o controle de seus corpos”. É sempre o mesmo: superioridade moral, religião política, o sonho americano e darwinismo social, o furor sem uma realidade subjacente.

Uma das características mais proeminentes dos homicídios culturais americanos, conforme aplicados ao comércio, é que as empresas americanas se recusarão terminantemente a entrar em um país estrangeiro, determinar que produtos ou tipos de produtos o mercado local apreciaria e depois fabricar e comercializá-los. Esse seria o caminho lógico, mas nunca acontece. Os americanos persistirão em tentar vender apenas os produtos que já fabricam e, se rejeitados pela população local, gastarão uma quantidade ilimitada de tempo e dinheiro para mudar os valores culturais da nação para que seus produtos sejam aceitos. Uma empresa que se vangloria abertamente de sua capacidade de fazer isso na China é a P&G que, com seu marketing carregado de valores psiquiátricos, criou a percepção de que a caspa era um problema de saúde vergonhoso e um estigma social que merecia e requeria atenção urgente. Felizmente para a China, a P&G tinha um produto para resolver o “problema” e as vendas dispararam. Por isso, devemos mais uma vez dar crédito a Bernays, que argumentou que o marketing deve evitar apelar à racionalidade apresentando as verdadeiras virtudes de um produto e, em vez disso, encontrar uma maneira de alimentar as fraquezas humanas. E encontraram uma maneira, usando a psicologia na publicidade:

“nutrir sentimentos arraigados de culpa e insegurança e usar esses sentimentos fabricados para criar apegos emocionais aos produtos. Essa projeção de necessidades psicológicas em um produto comercial era para criar uma espécie de idolatria de um bem comercial, uma forma de torcer emoções humanas fundamentos para adorar um produto, depositando nele a esperança de realização espiritual ou social da pessoa”.

Tente entender completamente o que isso significa. A premissa fundamental de Bernays – conforme comunicada à P&G, que foi seu primeiro cliente de publicidade – era evitar o marketing de um produto por seus méritos e, em vez disso, se aproveitar da fraqueza
humana.
Sua abordagem consistia em despertar nos clientes seus medos e inseguranças mais profundos e implícitos, e vincular o alívio desses a um produto específico. Era uma maneira totalmente desprezível de atrair consumidores inocentes e desavisados a quase adorar um produto na crença secreta de que comprar poderia eliminar esses medos profundos e cumprir nossas esperanças secretas. É por isso que as pessoas compram iphones da Apple e tênis Nike, bolsas LV e tantos outros produtos, mas a P&G saiu com vantagem e se tornou mestre nessa forma de engano desprezível. O marketing de Pampers na China é um excelente exemplo. As mães chinesas não usavam fraldas com frequência e, de qualquer forma, preferiam fraldas de pano laváveis, resistindo fortemente aos esforços de marketing da P&G para o que era visto como um produto caro, desperdiçador e desnecessário. Em 2010, a Forbes Magazine publicou um artigo intitulado “Como a Procter And Gamble cultiva clientes na China”, extraído de uma entrevista com o então CEO da P&G, Robert McDonald.

“Uma das coisas que me interessa nos muitos mercados da China … é observar as empresas de bens de consumo ocidentais pegarem um produto comprovado do exterior e introduzi-lo em um mercado emergente sem nenhum conhecimento prévio do uso ou existência desses produtos. … Estou falando em pegar um produto e literalmente mudar o comportamento do consumidor para criar um mercado.”

Nesse artigo, a Forbes escreveu que a P&G então conduziu “algumas pesquisas para identificar as qualidades que podem tornar uma fralda descartável atraente na China”, mas essa declaração é uma enorme mentira destinada a disfarçar a verdade essencial. O que a P&G realmente fez foi conduzir uma extensa pesquisa psicológica e psiquiátrica na tentativa de identificar os medos e fraquezas ocultos nas mães chinesas para se aproveitar delas. E encontraram o que precisavam: a preocupação das mães com a saúde do bebê e seu desenvolvimento e sucesso na vida a longo prazo. A P&G, então, criou primeiro um cenário baseado em alegações de que o sono aumentado não apenas melhoraria a saúde do bebê, mas resultaria em  “melhor desenvolvimento cognitivo e desempenho acadêmico”, presumivelmente garantindo riqueza e uma carreira de sucesso. O segundo passo foi produzir os chamados “estudos” com “resultados científicos” que eram palpavelmente fraudulentos, com dados fabricados ou selecionados, alegando que bebês chineses usando Pampers adormeciam 30% maisrápido do que bebês usando fraldas de pano e, ademais, que o sono enquanto usavam Pampers experimentaria “50% Menos Interrupções”.

Para aumentar o apelo, a P&G então acrescentou a insinuação de que os pais também dormiriam muito mais, transformando, assim, o poder aquisitivo de uma família de classe média baixa. Portanto, se seu bebê usar minhas fraldas, você não apenas obterá tanto sono extra que sua renda irá dobrar magicamente, mas seu bebê se tornará tão inteligente que fará um doutorado em uma universidade de elite. Como mãe, como você pode recusar? A P&G ficou muito orgulhosa de si mesma por essa manipulação. Em um vídeo promocional interno da equipe da P&G, um gerente da marca Pampers se gabou de sua fraude psicológica, dizendo: “Nós realmente tivemos que mudar a mentalidade e educar [as mães chinesas] que usar fralda não é uma questão de conveniência para você – é o desenvolvimento do seu bebê.” Está claro? A P&G estava “educando” as mães a acreditar que o uso de fraldas descartáveis aumentaria dramaticamente o desenvolvimento mental de seus filhos. E se gabando disso. Isto não é marketing inteligente; é manipulação maléfica.

Há uma questão oculta aqui, crítica para o entendimento. Esse tipo de marketing é propaganda psicológica e, como toda propaganda, funciona e sobrevive apenas no escuro, o que significa que os princípios básicos não podem ser declarados abertamente. Considere o exemplo da Pampers: se a P&G fizesse a alegação aberta, como afirmei acima, de que o uso de fraldas descartáveis aumentaria o QI de seu filho e garantiria seu futuro e sua renda, a declaração seria tão obviamente tola que seria abertamente ridicularizada. Portanto, a P&G e todos os profissionais de marketing têm o cuidado de apenas despertar os medos e, em seguida, associar independentemente seu produto a uma solução, permitindo que os próprios
consumidores liguem os pontos.

Esta é a mais condenável de todas as formas de marketing. É por isso que as pessoas pobres gastam somas inacessíveis de dinheiro em uma bolsa da LV ou em um par de tênis Nike promovido por alguma estrela do basquete. É por isso que as pessoas compram iphones e os americanos compram carros americanos e bebem Coca-Cola. É por isso que as pessoas pagam dez vezes o valor pelos xampus e produtos de higiene pessoal da P&G. É a forma como a maior parte do leite em pó infantil na China é comercializada hoje, repreensivelmente corrompendo a preocupação da mãe em relação ao filho na compra de um produto lácteo estrangeiro muito caro e freqüentemente abaixo do padrão. É por isso que a Nestlé teve tanto sucesso na comercialização de seu leite em pó infantil na África, mesmo à custa da morte de milhões de bebês.

Quase todos nós, em nossos momentos de silêncio, reconheceremos nossa vulnerabilidade em um mundo muito grande e às vezes assustador e, talvez sem nunca dar voz aos nossos sentimentos, perguntamos: “O que vai acontecer comigo? Serei amado? Se as pessoas realmente me conhecessem, ainda gostariam de mim? O que acontecerá com meu filho? Sou realmente uma boa mãe?” Graças a Bernays, os anunciantes de marcas usam frases e imagens inteligentes para despertar esses medos e anseios mais profundos, expondo nossa vulnerabilidade emocional e, em seguida, oferecem rapidamente a salvação e a realização dos sonhos. Nossas esperanças e medos mais profundos e vulneráveis são vergonhosamente manipulados para nos fazer acreditar que um calçado esportivo, um xampu, uma bolsa, um creme facial, uma marca de leite para bebês, um automóvel, nos farão felizes, populares, admirados e amáveis, e de alguma forma preencherão esse poço de dúvida e vazio dentro de nós. As religiões cristãs fazem exatamente a mesma coisa da mesma maneira, e ainda mais vergonhosamente.

Se você comprar este creme facial, será tão bonita e popular quanto eu. Se você comprar esta bolsa será admirada, invejada e respeitada. Se você comprar este vestido e este par de sapatos, você se sentirá confiante e empoderada, e sua popularidade irá disparar. Se você comprar nosso leite para bebês, será uma excelente mãe e seu filho será lindo, inteligente e bem-sucedido. Se você gastar todas as suas poupanças para que seu filho possa frequentar esta escola americana, ele se tornará um rei e realizará todas suas aspirações. Se você comprar nossas fraldas Pampers, sua renda dobrará e seu filho obterá um doutorado. Se você comprar este carro americano de engenharia patética, você será “empoderado” e “livre” e sua vida será repleta de aventura – principalmente causada ao se perguntar quando seu carro General Motors decidirá desligar a chave de ignição na rodovia, matando você e sua família.

No entanto, tivemos pelo menos um sucesso em rejeitar “valores” americanos, indicando que há alguns ícones americanos que os chineses não aceitarão. A Barbie da Mattel está morta. “Depois de dois anos morando em sua mansão de 4.000 metros quadrados e seis andares em Xangai, a boneca Barbie da Mattel está se mudando. A casa dos sonhos foi oficialmente fechada e, de acordo com analistas, é porque a Barbie não convenceu os compradores chineses na cidade grande.” A Mattel gastou muito para abrir aquela loja principal que agora fechou as portas. E já vai tarde. Dizem que os chineses gostam de manter a reputação, mas ouça a Mattel: a caríssima loja Barbie em Xangai foi “destinada apenas a estabelecer a marca Barbie na China. Fez isso com sucesso, então é hora de seguir em frente.”

Para quem não sabe, a Barbie nunca foi destinada a crianças. Barbie era um brinquedo sexual chamado ‘Lili’ que foi criado na Suíça na década de 1950 e era popular principalmente entre homens solteiros pervertidos na Europa. Na época, uma mulher judia-americana
chamada Ruth Handler, que com seu marido era dona da então pequena empresa chamada Mattel Toys, estava de férias na Alemanha e aparentemente se apaixonou por esta boneca, trouxe-a para os EUA e começou a comercializá-la como um brinquedo “mais maduro” para as meninas “explorarem a feminilidade”. A maioria das mães ficava perturbada ou horrorizada com isso, especialmente porque o corpo “maduro” da Barbie era essencialmente “pornográfico” e era visto como um perigo sério e “potencialmente prejudicial para a psique das meninas”. Essa opinião ainda é defendida fortemente por milhões de mães em todo o mundo que baniram esta boneca de suas casas. Meus amigos em Xangai me disseram que também estão incomodados com a aparência sexualizada desta boneca, e que a Barbie afeta negativamente a imagem que suas filhas têm de si mesmas. Mas Handler, como todo comerciante judeu, trouxe psiquiatras para aprender como mudar os valores das mães americanas para comercializar esta boneca. O conselho era instruir as mães a considerarem a Barbie como “uma ferramenta para ensinar suas filhas sobre a importância da aparência e da feminilidade”. E a importância do sexo promíscuo como forma de vida. Exatamente o que toda menina de 3 anos precisava para ajudá-la a crescer e se tornar uma jovem saudável – uma boneca de plástico com seios grandes e um carro esportivo. Sempre odiei aquela boneca. De acordo com um artigo recente no Wall Street Journal, a Barbie e a Mattel se juntam a uma lista crescente de marcas americanas que estão sofrendo na China. Graças a Deus.

Vale a pena perguntar por que isso está acontecendo. Mesmo a teimosia americana nos aspectos comerciais não se reduz tão simplesmente à ganância substituindo a ética. Há algo muito mais profundo aqui. Os americanos e os judeus estão na China com força total, tentando mudar à força os valores familiares da China, o sistema legal, a política de transporte, as atitudes em relação à saúde e educação do país e muito mais. Por quê? Por que estão trabalhando tanto para pressionar a China a reformular completamente o sistema jurídico chinês? Por que os americanos possivelmente se importariam com a forma como a China administra suas leis? Em agosto de 2016, a mídia chinesa noticiou que os tribunais chineses estavam adotando em caráter experimental a prática americana de barganha judicial [plea-bargain]. Este é o primeiro passo para a dissolução de todo o sistema judiciário da China e a destruição de um dos pilares mais importantes do “socialismo com características chinesas” da China. O motivo é simples: o processo de barganha judicial garante que a maioria das provas em um caso será enterrada, sem nunca ver a luz do dia, e todo o processo de apresentação de provas, a apuração da culpa e a determinação da punição agora é inteiramente removido da sala de audiências e do controle dos juízes, e colocado nas mãos dos advogados que dirão e farão tudo o que forem pagos para dizer e fazer. E, como no sistema americano, é aqui que a justiça é subvertida e o sistema se corrompe.

Isso não é pouca coisa. Americanos e judeus definitivamente não olharão para a cultura de um país estrangeiro e não tentarão criar produtos adequados a essa cultura, mas em quase todos os casos utilizarão psiquiatria, psicologia, engano de marketing e truques para forçar uma mudança nessa cultura estrangeira que aceite os produtos que as empresas americanas querem produzir – em outras palavras, tentar impor os valores, atitudes e produtos americanos a todas as nações do mundo. Isso é o pior do imperialismo comercial, já que esse processo resulta naturalmente na destruição final da maioria das marcas nacionais preciosas de cada país, e na destruição correspondente da própria cultura. Os americanos tiveram tanto sucesso nas Filipinas que nenhuma marca nacional permanece naquele país, resultando na destruição permanente e na perda de uma parte fundamental dopatrimônio cultural daquele país. Os americanos fizeram o mesmo com o Canadá, com o resultado de que lamentavelmente poucas marcas canadenses sobreviveram e as poucas que restam estão novamente sendo vendidas aos americanos para destruírem.

Uma das poucas nações a escapar dessa rede imperialista é o Japão, cujos cidadãos se recusam a permitir que os americanos corrompam ou diluam sua cultura e, conseqüentemente, se recusam a comprar produtos americanos. O iphone da Apple é um perdedor completo no Japão, cujo povo o evita a favor de suas próprias marcas preferidas. A Apple nunca será capaz de competir no Japão porque os executivos da empresa, sendo americanos, não querem nem saberiam reconhecer a existência de uma cultura japonesa, muito menos dispostos a se encaixar nessa cultura projetando produtos para ela. Todas as multinacionais dos EUA estão determinadas a infligir valores e produtos americanos a todas as nações. É muito importante que o povo chinês construa esse nível de orgulho em seu próprio país, para que também rejeite todos os bens e valores americanos como abaixos do padrão.

A propaganda tão habilmente desenvolvida por Lippman e Bernays envolvia a criação de respostas emocionais binárias a declarações e propostas apresentadas ao público, da mesma forma que a Starbucks deseja criar uma resposta emocional para lhe entregar uma“experiência”. Assim como no marketing, que procura criar uma resposta emocional a uma marca e, para isso, deve se basear na capa em vez de no conteúdo, apresentando imagens falsas que produzirão uma ressonância emocional. Por isso, marcas e branding são proposições filosóficas que envolvem cultura, estilos de vida e valores, associando uma marca ou produto a valores culturais que os profissionais de marketing desejam que você adote. Mudar os valores de uma  sociedade segue o mesmo processo, despertando medos e tentando criar uma resposta emocional positiva forte o suficiente para sobrescrever os valores culturais que você possui. Os valores chineses de poupança e de estar livre de dívidas serão ridicularizados como antiquados, atrasados e não refinados, sem a sofisticação necessária de um mundo moderno, e serão substituídos por imagens falsas “feel good” de liberdade, confiança, autonomia, independência e uma vida feliz que resultarão quando você hipotecar sua casa, usar mais cartões de crédito e gastar cada centavo que você tem em coisas que não precisa. E não é apenas dívida e consumo; os valores familiares da China estão igualmente sob ataque, assim como coisas como educação, saúde, criação dos filhos, compra de automóveis e muito mais.

As principais armas neste ataque cultural são a publicidade e os filmes americanos, ambas indústrias totalmente judaicas e controladas por judeus, e devem ser vistas com suspeita e cautela, e com esforço deliberado para isolar e identificar a propaganda de mudança de valores que é hábil e deliberadamente incorporada neles. É importante entender que a cultura e os valores americanos consistem principalmente em mitos históricos e sociais que são “valores artificialmente construídos” assimilados à cultura comercial e agora evangelizados por todo o mundo como verdades, o que enfaticamente não são. E é assim que as empresas americanas acreditam que terão sucesso em colonizar a China com produtos – por meio de uma transferência de valores culturais através da identificação com as marcas.

Pessoas em outras nações aprendem apenas os mitos e raramente a realidade do que são os Estados Unidos, portanto, a imagem retratada ao mundo dos EUA é essencialmente uma grande mentira, não diferente das “experiências” inventadas que a Starbucks quer criar, com muita ficção e pouca realidade. Alguns chineses lamentam o fato de a China não produzir filmes no estilo americano e, embora admita-se em geral que Hollywood produz alguns bons filmes, não são filmes “americanos” em nenhum sentido e não são os americanos que os produzem. São os judeus que produzem esses filmes, Hollywood sendo uma entidade inteiramente judaica. Todos os grandes estúdios de Hollywood são de propriedade de judeus e uma porcentagem muito alta de todos os atores e atrizes de todos esses filmes também são judeus. Em si, isso não é ruim. Os judeus, como povo, são bons artistas e parecem ter a habilidade de fazer alguns filmes ótimos. O problema não são as pessoas fazendo filmes, mas os valores políticos e outros embutidos nesses filmes, que servem a dois propósitos principais: mantêm os americanos irremediavelmente ignorantes sobre seu próprio país e história, ao mesmo tempo sentindo-se bem por serem americanos, e muitas vezes são excessivamente políticos ao distorcerem a verdade histórica e transmitirem ‘valores’ americanos vazios para o resto do mundo. A televisão é a mesma coisa, com seriados e programas americanos transmitindo os mesmos valores falsos.

O que mais quero enfatizar é que as marcas e os valores americanos são apenas propaganda; são mitos e ilusões sem substância. O governo, as elites, as grandes corporações, a mídia americanos, criaram uma vasta coleção de mitos que divulgaram com sucesso para os americanos e tentam cada vez mais comercializar para o resto do mundo. Não estou muito preocupado com ‘o resto do mundo’, mas estou preocupado com a China, porque os americanos estão propagando um engano em uma escala enorme, um engano que afeta cada vez mais todas as partes do dia-a-dia. Tudo que emana dos EUA está poluído com os chamados “valores” americanos, muitos dos quais são fortemente politizados, todos utópicos e não reais, e todos destrutivos e culturalmente tóxicos. A máquina de propaganda dos Estados Unidos marca tudo o que é americano com o que parecem ser altos valores e prestígio, mas na verdade é apenas o mito velado de uma superioridade moral racista e branca. Direi novamente, não é possível adotar os valores americanos sem também adotar uma supremacia americana e aceitar a superioridade moral americana de facto. Pense por um momento em um anúncio de TV de tênis Nike ou algum produto desse tipo, tipicamente apresentando um jogador de basquete americano negro demonstrando alguma proeza sobre-humana enquanto sua frio. Toda a mensagem contida nesse anúncio é: “Eu sou melhor do que
você”, e isso se traduz em “Eu sou moralmente superior a você”. Se você examinar qualquer anúncio de qualquer produto americano, ou assistir a qualquer filme ou programa de TV americano, essa mesma mensagem de superioridade moral americana está embutida em algum lugar dentro dele. A mensagem é falsa, a própria ideia de superioridade moral americana é ridícula, mas é assim que os valores americanos são divulgados para o mundo.

Um problema sério é que, à medida que as empresas americanas compram e matam um número cada vez maior de marcas chinesas, elas não apenas matam permanentemente partes importantes da cultura e herança chinesa, mas quando uma empresa estrangeira obtém cerca de 30% de controle em qualquer mercado, irá então controlar virtualmente toda a base cultural de todos os produtos nesse mercado. Uma dominação estrangeira de 30% de um mercado de produto ou um setor da indústria é suficiente para substituir gradualmente uma cultura doméstica por uma estrangeira e, dessa forma, mudar gradualmente os valores básicos de uma nação e, assim, o controle do mercado comercial se torna uma colonização cultural de fato. É o que já aconteceu com cosméticos, muitas roupas, alguns eletrônicos, bens de consumo de alta rotatividade e produtos de higiene pessoal e muitas outras áreas dentro da China, e o ritmo não está diminuindo. Até recentemente, a P&G controlava cerca de metade do mercado de xampu na China urbana, o pré-requisito necessário para uma colonização cultural efetiva, um dos motivos pelos quais o domínio do mercado é importante para eles. Mas, e esta é uma mensagem que repetirei constantemente, a agenda comercial americana é principalmente de natureza política, sendo o impulso real em direção à dominação política, não ao sucesso comercial.

Em um artigo da Counterpunch,  em novembro de 2014, Gary Leech escreveu que o mundo precisa de uma revolução contra os Estados Unidos, para eliminar os resultados brutais autoritários e imperialistas da política externa americana contra os outros 96% da população mundial. Ele escreveu que as fronteiras nacionais são repetidamente dizimadas em nome do capitalismo de livre mercado praticado com tanta violência pelos americanos e seus amigos banqueiros europeus que afetam a vida de quase todos no planeta. Ele afirmou que as nações não são iguais, e que os EUA adotaram o antigo papel colonial europeu com uma quantidade desproporcional de poder militar e político que não hesitam em usar. É com esse propósito que os Estados Unidos derrubaram os governos de mais de 50 nações para instalar uma marionete responsável pelo saque de sua nação. Nas palavras de Leech,

“Quando os governos chegam ao poder e desafiam os interesses dos EUA, Washington inevitavelmente responde com sanções econômicas, apoio a um golpe militar e, se necessário, intervenção militar direta. O objetivo é garantir que o modelo capitalista seja o modelo social dominante em todo o mundo. E para garantir que este modelo seja aceito como legítimo, é crucial que as populações ao redor do mundo internalizem os valores liberais ocidentais. A aceitação dos valores liberais ocidentais é essencial para a perpetuação do capitalismo e muitos desses valores individualistas [americanos] infringem alguns dos valores coletivistas encontrados em [outras nações].” Pense sobre isso.

E pense sobre a citação anterior de Robert Kagan, em sua declaração aberta de que o objetivo do Ocidente é o colapso do governo da China, onde ele escreveu: “Ao abraçar os chineses, exportando nossos costumes ocidentais por meio de nossos produtos ocidentais, vamos derrubá-los.” Isso é o que está acontecendo na China hoje. Os sinais estão por toda parte, para quem quiser ver. Muitas pessoas na China descartam tais preocupações como exageradas, mas a maioria dos chineses não tem ideia da profundidade e amplitude das influências americanas no país, dedicadas a ocidentalizar os valores do povo chinês, e não primariamente vender produtos de consumo, mas com a intenção de colapsar o sistema de governo da China e “derrubar a China”. Como observei alhures, o governo dos EUA gasta mais de $300 milhões na China todo ano, nessa propaganda política “baseada em valores”.

Há outro aspecto ainda mais sinistro nisso. Escrevi anteriormente que, como chinês, você nunca deve participar de nenhuma pesquisa conduzida por empresas americanas como Pew, Gallup, Edelman e Nielsen, porque elas conduzem principalmente suas “pesquisas de mercado” em nações destinadas à desestabilização e são encarregadas de encontrar os pontos fracos. Se você participar, estará dando a eles a corda que usarão para te enforcar. Devo observar aqui que essas empresas de pesquisa e outros grupos semelhantes já mapearam a China nesses termos políticos, identificando as áreas precisas de cada província onde se pode encontrar uma maioria com uma visão política conservadora. Em abril de 2015, a revista Foreign Policy publicou sobre um artigo produzido pelos pesquisadores Xu Yiqing do MIT e Jennifer Pan de Harvard, em que mapearam tendências ideológicas políticas dentro da população chinesa. Seus dados podem identificar as áreas onde as pessoas apóiam o atual sistema político socialista da China, mas, mais importante, aquelas áreas onde os “ideais” ocidentais são vistos de forma mais favorável e onde as pessoas tendem a fornecer apoio para a promulgação americana de reformas e proposições de “livre mercado” para substituir o governo da China por um modelo ocidental. Na verdade, as conclusões já formadas entre os analistas políticos americanos do Departamento de Estado é que a sociedade chinesa poderia ser dividida segundo as linhas ideológicas dos partidários do confucionismo e dos que têm afinidade com o capitalismo ocidental. Se isso não te assusta, deveria, porque essas fissuras ideológicas são a forma como todas as dissidências e revoluções internas são causadas por ocidentais e por nossos amigos banqueiros europeus. Você pode ter certeza de que esses planos já estão em andamento e você não pode se dar ao luxo de ser tão ingênuo a ponto de subestimar sua intenção destrutiva.

Os ataques midiáticos e políticos e as pressões exercidas sobre outras nações, especialmente incluindo a Rússia e a China hoje, são devido aos desafios que essas nações representam para “a implementação dos valores liberais ocidentais essenciais para a globalização capitalista”. Os valores e práticas culturais ocidentais são vitais para o sucesso da forma americano-europeia (judaico-cristã) de capitalismo anti-social, que é o que levou os EUA a apoiar todos aqueles regimes corruptos no século passado. Toda a retórica de interferir pela liberdade e pelos direitos humanos são propaganda e fumaça amargamente falsas; a verdade é que se trata apenas de dinheiro e controle. Os direitos humanos e as liberdades sempre foram irrelevantes neste contexto, como são hoje. O capitalismo de livre mercado internacional prioriza o dinheiro sobre os seres humanos, tornando as populações de todos os países totalmente descartáveis, caso se recusem a aceitar esta forma de capitalismo.

 

Para aceitar o capitalismo ocidental, é necessário adotar os valores americanos, da superioridade moral distorcida e desviada ao corte dos serviços sociais e à privatização e pilhagem dos ativos da nação, e a imunidade dos executivos corporativos a acusações criminais. Esses são os verdadeiros “valores” que estão sendo promovidos na China hoje. Eles não têm relação com a democracia, as liberdades, o Estado de Direito e todos os outros ufanismos moralistas que os americanos tão livremente espalham. Em vez disso, trata-se de abrir amplamente a nação para o saque de todos os fluxos de receita possíveis e iludir a população de que isso é uma coisa boa, mascarando os ataques (e são ataques) com moralidade altissonante. Para reafirmar de forma simples, a tarefa é obter total controle financeiro e político sobre uma nação de forma a saqueá-la ao máximo, e a principal ferramenta para essa invasão é a propagação dos chamados “valores americanos”. Ignorar este aviso é ser deveras cego.

Assim como os líderes da China são inflexíveis sobre a preservação de um sistema de governo nacional de socialismo com características chinesas, também devem ser igualmente inflexíveis sobre os produtos no mercado chinês terem não apenas características chinesas, mas também valores culturais chineses. E isso significa preservar e proteger as marcas chinesas e sua cultura embutida, e rejeitar a maioria das marcas e produtos americanos pelo mesmo motivo – os tóxicos valores culturais embutidos. O Canadá falhou miseravelmente tanto em antecipar este ataque cultural predatório dos EUA quanto em suas tentativas de lidar com ele. E hoje o Canadá é, em muitos aspectos, um clone dos EUA, tendo sido sub-repticiamente colonizado – em um sentido real – por produtos e valores americanos.

O presidente Xi Jinping fez algumas observações muito importantes em uma conferência internacional para comemorar o 2.565º aniversário do nascimento de Confúcio. Ele disse que a China deve preservar e desenvolver sua cultura e promover o intercâmbio entre civilizações para tornar o mundo um lugar melhor. Em suas palavras,

 

“A cultura é a alma de uma nação. Se um país não valoriza seu próprio pensamento e cultura, se o povo perde sua alma, não importa qual país ou nação, ele não será capaz de se manter”.

 

Jamais foram ditas palavras tão verdadeiras. E devo dizer que comemorei quando, em janeiro de 2015, li no noticiário que o ministro da Educação da China prometeu que os “valores ocidentais” nunca serão permitidos nas salas de aula do país. Em uma reportagem do Financial Times sobre esta questão, Jamil Anderlini, o famoso modelo de roupa íntima seminu, afirmou que isso foi um esforço para “consolidar o governo autocrático e afastar as demandas por democracia e direitos humanos universais”. Mas não é assim. Era uma tentativa de evitar que as crianças chinesas fossem pervertidas pelos chamados valores de Anderlini e de pessoas como ele.

Os estrangeiros na China rapidamente percebem que a maioria dos chineses tem uma vasta rede de amigos e conhecidos aos quais recorrem para obter ajuda para realizar tarefas grandes e pequenas. Não importa o que precisamos fazer, sempre conhecemos alguém que conhece alguém que pode nos ajudar a fazer. O Ocidente não tem nada igual, e certamente não os países de direita como os EUA. Ao discutir isso com uma americana, sua resposta foi que (1) os americanos eram independentes por natureza e podiam funcionar sem uma rede de contatos, e (2) os americanos de qualquer maneira não precisavam de muitos contatos porque tinham boas regras e um sistema dentro do qual eles podiam fazer as coisas sozinhos. Mas isso está a 180 graus da verdade. Leis e regras se desenvolvem em resposta à mentalidade e atitudes de uma população. Os EUA desenvolveram um claro sistema preto e branco de procedimentos porque os americanos não tinham rede de contatos e eram forçados a realizar as coisas por conta própria. Em contraste, a China sempre teve uma vasta rede de amigos e contatos, e um sistema preto e branco de regras e políticas não era tão importante, razão pela qual a sociedade chinesa funciona tão bem na ausência delas. Essas redes chinesas consistem em amigos e associados com laços emocionais reais e exclusivamente chineses. O entendimento americano disso é risivelmente superficial. Os ocidentais que vêm para a China esperam ver os mesmos processos simples que têm em casa e ficam totalmente embasbacados quando confrontados com o labiríntico sistema chinês. Eles reclamam que a China é muito complicada, muito difícil, muito misteriosa, quando na verdade não é nada disso. É apenas chinesa. Em sua ignorância, os americanos condenam a China por ser atrasada ou por ter políticas confusas e nenhum Estado de Direito. Eles estão completamente errados, mas nunca vão entender. Eles não têm o panorama cultural para trabalhar dentro do sistema chinês e são ideológicos e rígidos demais para se adaptarem.

 

O melhor que podem fazer é criticar a China, condenar o sistema e exigir que a China recalcule todas as suas leis, métodos e políticas de uma forma que deixe os americanos mais confortáveis. Bem, por que a China faria isso? Os EUA certamente não farão alterações para tornar a vida mais confortável para seus imigrantes, chineses ou não. Nos Estados Unidos, você faz do meu jeito ou pode morrer no estacionamento. Mas os americanos, em suas pequenas mentes moralmente superiores e cheias de propaganda, acreditam que seu jeito é o único certo e, em sua arrogância, exigem que você redesenhe seu país à imagem deles. Mas o jeito deles não é o “certo” – exceto para eles – e devem mantê-lo em casa, onde pertence. Em sua casa, você faz as coisas do jeito que quiser. Na minha casa, eu defino as regras e você faz as coisas do meu jeito.

 

A China não pode se dar ao luxo de destruir sua própria herança e cultura em uma tentativa equivocada e tola de emular ou agradar aos americanos. Fazer isso seria um crime imperdoável contra o povo chinês. Já existe muito disso acontecendo. Isso se aplica às leis, aos procedimentos de tribunal, à mecânica de formação e registro de empresas, à compra e aluguel de casas, ao trabalho e emprego, a férias e hospitais, a viagens aéreas e de trem, a finanças e bancos, a milhares de grandes e pequenos métodos e processos que fazem parte da cultura chinesa de 5000 anos. Um refrão que todo chinês deve aprender, e aprender logo, é este: “Se você quer morar aqui, faça do meu jeito”. Se você é chinês, isso pode parecer duro e inospitaleiro, mas é a única maneira de lidar com os americanos, porque é a única coisa que eles entenderão. Se você é chinês, realmente deve limpar sua cabeça da noção tola e desinformada de que os métodos e a cultura ocidentais, especialmente os americanos, são moralmente superiores aos seus. Não são. Mais uma vez, na minha casa você faz as coisas do meu jeito. Se não gosta, sabe onde fica a porta.

 

*

Larry Romanoff, consultor de administração e empresário aposentado. Ocupou cargos executivos especializados em empresas de consultoria internacionais e era proprietário de uma empresa internacional de importação e exportação. Professor Visitante da Universidade Fudan de Shangai, apresenta estudos de casos em assuntos internacionais a executivos especializados. Romanoff reside em Shanghai e, actualmente, está a escrever uma série de dez livros, relacionados, de um modo geral, com a China e com o Ocidente. Os seus artigos, traduzidos em mais de 20 idiomas, estão disponíveis em mais de 100 sites de idiomas estrangeiros em todo o mundo. Pode ser contactado através do email: 2186604556@qq.com  

 

Larry Romanoff é um dos autores que contribuem na nova antología COVID-19, de Cynthia McKinney “When China Sneezes” (Quando a China Espirra)”.

 


 

Copyright© Larry Romanoff, Moon of Shanghai, 2020

Tradução: Leonardo 

One thought on “PT — LARRY ROMANOFF — Mudança de Valores Culturais — September 19, 2020

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *