PT eu — LARRY ROMANOFF — Que papel desempenhará o seu país na Terceira Guerra Mundial? May 27, 2021


CROATIAN  ENGLISH   ESPAÑOL  GREEK  NEDERLANDS  POLSKI  PORTUGUÊS EU   PORTUGUÊS BR   РУССКИЙ

Que papel desempenhará o seu país na Terceira Guerra Mundial?

Por Larry Romanoff, 27 de Maio de 2021

As verdadeiras origens das duas Grandes Guerras Mundiais foram eliminadas de todos os nossos compêndios de História e substituídas por mitologia. Nenhuma das duas guerras foi iniciada (ou desejada) pela Alemanha, mas foram ambas instigadas por um grupo de judeus sionistas europeus com a finalidade declarada da destruição total da Alemanha. A documentação é esmagadora e as provas inegáveis. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) (10) (11)

Essa parte da História está hoje a repetir-se num aliciamento em massa dos povos do mundo ocidental (especialmente dos americanos) em preparação para a Terceira Guerra Mundial – que, estar agora prestes a acontecer. É evidente que se estão a acumular Nuvens de Guerra. Os sinais estão em todo o lado, com cobertura mediática e discussões abertas sobre a guerra em muitos países. Há anos que a RAND Corporation tem vindo a preparar cenários militares sobre a Terceira Guerra Mundial, e a NATO é noticiada como estando actualmente a fazê-lo. Grandes movimentações de tropas e de equipamento da NATO estão em preparação ou a caminho para cercar a Rússia. Os EUA estão a cercar a China com bases militares, incluindo a maior do mundo, em Guam. Tanto a China como a Rússia estão cercadas por cerca de 400 laboratórios de armas biológicas dos EUA. O Irão está inteiramente indefeso devido à acumulação militar americana no Médio Oriente.

Através do controlo dos meios de comunicação social, a Campanha de Ódio dos Judeus contra a China (12) (ver nota 13) é implacável e bem sucedida, pelo menos, durante os últimos dois anos, enchendo as páginas e as frequências da rádio com histórias falsas de atrocidades cometidas pela China e ocorrem quase diariamente bombardeios destas mentiras. Elas seguem o mesmo padrão que foi utilizado por essas mesmas pessoas contra a Alemanha, afim de alimentar o ódio e preparar as populações para as duas Grandes Guerras Mundiais. O modelo é o mesmo – é baseado no mesmo tipo de mentiras – como as que foram utilizadas para preparar as invasões do Iraque, da Líbia e da Síria. Estas pessoas estão a utilizar todas as formas de provocação contra a China, incluindo desafios militares cada vez mais afrontosos e imprudentes no Mar da China Meridional e perto de Taiwan. O mundo inteiro está a ser ensinado a odiar a China, a Rússia e o Irão. As tentativas de converter a Índia no inimigo da China, estão a tornar-se cada vez mais encarniçadas.

A Terceira Guerra Mundial será constituída por forças combinadas dos EUA, da NATO e de Israel (que se considera uma potência militar mundial) provocando um conflito que visa a destruição final da China, da Rússia e do Irão, os três países que devem ser destruídos para satisfazer o sonho de construir o Terceiro Templo de Satanás, em Jerusalém, e iniciar a Nova Ordem Mundial. É esse o plano. O plano é real, e será executado, quer acredite nele ou não.A sua crença não tem qualquer efeito sobre os acontecimentos que se avizinham.

Não podemos contar com nada dos americanos porque são demasiado estúpidos, arrogantes e estão dispostos a funcionar cegamente,mais uma vez, como o Exército Privado dos Banqueiros, tendo jurado fidelidade às mesmas pessoas que detêm o controlo final tanto da CIA como da Mossad. A Inglaterra desempenhou essa função durante um século ou mais, mas foi prontamente sacrificada quando os banqueiros transferiram a sua bandeira para os EUA. Uma Guerra Mundial deixará os EUA física e financeiramente em ruínas, tal como as duas primeiras guerras destruíram o Império Britânico e deixaram a Inglaterra na bancarrota. Estas pessoas são implacáveis; para conseguirem o que querem, lutarão até ao último americano. Mas, como Benjamin Netanyahu excelentemente proferiu: “Assim que espremermos tudo o que queremos dos EUA, podem secar e explodir”. E assim será. Mas não importa porque os banqueiros já estão a transferir a sua bandeira para a NATO – um exército supranacional que não presta contas a ninguém e que será o nosso opressor oficial no nosso Admirável Mundo Novo. E não podemos contar com as massas dos povos ocidentais porque são simples peões nestes concursos geopolíticos, poucos compreendem o fosso trágico para onde saltam voluntariamente.

A Família Real Britânica está 100% a trabalhar no mesmo sentido. Se duvidar, peça à Rainha Isabel uma declaração pública de que a Inglaterra recusará qualquer parte noutra guerra mundial. Ela irá ignorá-lo, tal como o faria Boris Johnson e a cabala parlamentar do Reino Unido, uma vez que eles estão na linha da frente desses planos. Peça ao covarde Primeiro Ministro canadiano, Justin Trudeau, que declare resolutamente que o Canadá se recusará a seguir os americanos noutra guerra mundial. Ele irá declinar. Não podemos contar com a Alemanha; esse país é hoje uma colónia americana/judaica sem vontade própria. Grande parte da Europa Oriental, tal como a Austrália, tem sido torcida e transformada, acreditando estupidamente que será mantida sem ser atacada pelo poder da NATO quando, na realidade, estará entre os primeiros cordeiros sacrificados nesta Terceira Guerra. A Itália, a França ea Espanha serão quase certamente intimidadas a participar; o resto da Europa é completamente insignificane. O Japão, sendo também uma colónia americana/judaica, sem vontade própria, além de ser uma importante base de operações militares dos EUA, não terá outra escolha senão sacrificar-se.

Não há forma de evitar a conclusão de que a História se está, de facto, a repetir, demonizando mais uma nação, gerando deliberadamente ódio e raiva suficientes para justificar outra guerra mundial. Mesmo os ideólogos ocidentais confirmados admitirão que o que escrevi aqui, é verdade. Qual será a posição do governo do seu país quando o rastilho do canhão de guerra for finalmente aceso? É capaz de explicar por que razão acredita que uma Terceira Guerra Mundial é uma boa ideia? Se é europeu, não viu já guerra suficiente? Se é americano, o seu governo não matou já pessoas inocentes em número suficiente? Se é judeu, porque não se pronuncia contra esta cabala de 300 ou 400 indivíduos antes que seja tarde demais?

Dada a fonte de impulso para uma Terceira Guerra Mundial e a destruição planeada da China, resta considerar o que pode ser feito, se é que pode haver algo para evitar um terceiro holocausto mundial. Mesmo conhecendo as fontes, não é prático declarar guerra no máximo a alguns milhares de indivíduos,talvez espalhados entre dez nações.

Só conheço uma forma de prevenir a Terceira Guerra Mundial que agora está iminente: fazer Israel pagar por ela. Se eu estivesse na posição da autoridade decisiva de uma das nações visadas, chamaria o Embaixador de Israel  e informá-lo-ia de que se a minha nação fosse forçada a entrar em guerra contra os EUA, eu responderia, naturalmente. Contudo, a minha primeira retaliação não seria contra os EUA mas contra Israel e que aplicaria uma parte necessária do meu arsenal para garantir que Israel permaneceria inabitável durante 500 anos e que o Terceiro Templo de Satanás nunca seria construído. A minha tese é que Israel é demasiado importante para essas pessoas para ser sacrificado, e que, perante uma tal ameaça considerada credível, eles recuariam. Com tudo o que sei, não acredito que uma terceira guerra mundial possa ser impedida de outra maneira.

Claro que serei acusado de anti-semitismo, mas não se trata de mim; trata-se de um pequeno punhado de banqueiros e industriais judeus europeus que querem que uma terceira guerra mundial destrua a velha ordem antes da nova ordem ser instalada. Estas pessoas devem ser apontadas e os seus objectivos devem ser expostos. Em todo o caso, numa deliberação judicial sobre ofender algumas centenas de pessoas ou iniciar uma terceira guerra mundial, qual é o maior crime?

 *

A obra completa do Snr. Romanoff está traduzida em 32 idiomas e postada em mais de 150 sites de notícias e de política de origem estrangeira, em mais de 30 países, bem como em mais de 100 plataformas em inglês. Larry Romanoff, consultor administrativo e empresário aposentado, exerceu cargos executivos de responsabilidade em empresas de consultoria internacionais e foi detentor de uma empresa internacional de importação e exportação. Exerceu o cargo de Professor Visitante da Universidade Fudan de Shanghai, ministrando casos de estudo sobre assuntos internacionais a turmas avançadas de EMBA. O Snr. Romanoff reside em Shanghai e, de momento, está a escrever uma série de dez livros relacionados com a China e com o Ocidente. Contribuiu com o segundo capítulo, Lidar com Demónios, para a nova antologia de Cynthia McKinney, ‘When China Sneezes’ .

O seu arquivo completo pode ser consultado em https://www.moonofshanghai.com/ e  http://www.bluemoonofshanghai.com/ 

Pode ser contactado através do email: 2186604556@qq.com

 *

Notas

(1) https://hofs.online/david-irving-churchills-war/

(2) https://www.paulcraigroberts.org/2020/01/13/germanys-war-chapter-4-the-allied-conspiracy-to-instigate-prolong-wwii/

(3) https://thegreateststorynevertold.tv/the-war-criminal-churchill/

(4) https://research.calvin.edu/german-propaganda-archive/schul05.htm    

(5) “A Alemanha está a ficar demasiado forte. Temos de esmagá-la”. – Winston Churchill falando durante um almoço privado em 1936. Reminiscências em 1961 do General Robert E. Wood. Segunda Guerra Mundial. Por Carl J. Schneider, Dorothy Schneider. Página 15.

Downlod grátis deste livro: https://pt1lib.org/book/728795/c85219?id=728795&secret=c85219

(6) “Vamos forçar esta guerra contra Hitler, quer ele queira ou não queira”. – Winston Churchill (emissão de 1936). “Esta guerra é uma guerra inglesa e o seu objectivo é a destruição da Alemanha”. – Winston Churchill (emissão do Outono de 1939)

https://www.coursehero.com/file/p1da79e/Following-the-Treaty-of-Versailles-Germany-was-ordered-to-pay-the-war-costs-of/

(7) “É preciso compreender que esta guerra não é contra Hitler ou contra o Nacional-Socialismo, mas contra a força do povo alemão, que deve ser esmagada de uma vez por todas, independentemente de estar nas mãos de Hitler ou de um padre jesuíta”. – Winston Churchill [1940]; Emrys Hughes, Winston Churchill, His Career in War and Peace p. 45); Este livro foi publicado na Grã-Bretanha em 1950 sob o título “Winston Churchill — Sobre a guerra e a paz”. A versão americana intitula-se “Winston Churchill: bulldog britânico ” https://www.amazon.com/Winston-Churchill-British-bulldog-career/dp/B0006ATSO8  

 (8) https://www.moonofshanghai.com/2020/10/jewish-responsibility-for-both-world.html

(9) https://www.moonofshanghai.com/2020/10/zionism-hidden-tiranny-by-benjamin-h.html

(10) https://www.moonofshanghai.com/2020/10/the-jewish-declaration-of-war-on.html

(11) https://www.moonofshanghai.com/2020/10/the-jewish-betrayal-of-germany-and.html  

(12) A Campanha de Ódio contra a China; https://www.moonofshanghai.com/2020/09/pt-larry-romanoff-campanha-da-raiva.html  

(13) Os judeus internacionais têm alguma razão para se ressentirem da China, que devia ser fragmentada e transformada numa fonte de dinheiro perpétua, um plano frustrado por Mao e pela sua revolução. Não foram “os britânicos” mas as famílias internacionais de banqueiros judeus, os Rothschild, Sassoon, Kadoorie, Hardoon e outros que foram inteiramente responsáveis pelos 150 anos da imagem distorcida do ópio da China. Imediatamente após a Segunda Guerra Mundial, um dos primeiros actos de Mao foi expulsar todos os judeus da China e confiscar todos os seus bens provenientes do ópio – incluindo toda a cidade de Shanghai e as sucursais do HSBC (The Hongkong and Shanghai Banking Corporation Limited) na China Continental. Eles não se esqueceram e querem o seu dinheiro de volta.

Copyright ©  Larry RomanoffMoon of Shanghai, Blue Moon of Shanghai, 2021