PT — AUDIO-ENTREVISTA — Transcrição de “COVID USA com Larry Romanoff – 1 de Abril de 2020”

Transcrição de “COVID USA com Larry Romanoff – 1 de Abril de 2020” 

YouTube: https://www.youtube.com/watch?v=nKVnIxQzfvs

CHINESE  ENGLISH   SPANISH

Publicado em 7 de Abril de 2020

Larry Romanoff discute muitos dos seus artigos, incluindo:

Seis surtos virais inexplicáveis na China durante a guerra comercial que exigiu as importações dos EUA;

“O Coronavírus da China”: Uma Actualização Chocante, Será que o Vírus teve origem nos EUA? Japão, China e Taiwan

Relatórios sobre a Origem do Vírus;

“A Humanidade numa Encruzilhada – Relacionando os acontecimentos com o nosso Admirável Mundo Novo;

Por que é que,  Aparentemente, os EUA Não Estão a Testar o COVID-19 Coronavírus?”;

Investigação sobre as origens do coronavírus;

Sequenciação genética de todas as diversas estirpes;

Todas as estirpes existem apenas nos EUA;

O Mercado de Marisco de Wuhan não é a origem do vírus;

O Laboratório Wuhan BSL4 não um laboratório de armas biológicas; mais de 1.000 fugas nos laboratórios BSL 3 e 4 dos EUA, durante cinco anos;

O enorme Laboratório Fort Detrick de armas biológicas, encerrado durante 6 meses;

Vírus da China 100% específico da China, o mesmo acontece com o vírus SARS;

Harvard expulsa da China por recolher ilegalmente, ADN chinês;

O CDC ordenou aos médicos americanos que não testassem o coronavírus;

Itália e Irão, alvos geopolítcos;

O CDC produziu testes defeituosos e depois, mais nenhum;

o CDC faz parte do exército americano;

Devastação económica.

* * * * * * * *

 

Vírus. É como os filhos de um pai. Não se pode ter um filho a aparecer por si mesmo. Tem de vir de algum lugar.

E, neste caso, há cinco tipos dos chamados pais. E só os EUA têm os cinco. 

A Coreia e Taiwan tinham uma variedade. Na verdade,  a mesma que a Inglaterra. A China tinha uma variedade totalmente diferente das outras. Era muito mais letal do que a da Coreia.

E países diferentes tinham tipos diferentes.

O Irão e a Itália sequenciaram as suas variedades e descobriram que eram diferentes do que havia na China, pelo que as suas infecções não vinham da China. Vieram de outro lugar.

Mas o outro lugar só poderia ter sido os EUA, porque era o único lugar onde estas variedades existiam.

Bonnie Faulkner: Eu sou Bonnie Faulkner. Hoje em Guns + Butter, Larry Romanoff. O programa de hoje: COVID USA.

Larry Romanoff, consultor administrativo e empresário aposentado, ocupou cargos executivos de responsabilidade em empresas de consultoria internacionais e foi proprietário de uma empresa internacional de importação e exportação. Exerceu o cargo de Professor Visitante na Universidade Fudan de Shanghai, ministrando casos de estudo sobre assuntos internacionais para turmas avançadas de EMBA.Hoje discutimos vários dos seus artigos mais recentes na sua série sobre o novo coronavírus, incluindo “O coronavírus da China: Uma Actualização Chocante. O vírus teve origem nos EUA?”, “Japão, China e Taiwan”: Relatório sobre a origem do vírus”, e “Porque é que os EUA aparentemente NÃO estão a testar o coronavírus da COVID-19?

Larry Romanoff, bem-vindo.

Larry Romanoff: Obrigado.

Bonnie: Li com interesse muitos dos artigos que escreveu na sua série “Rastreando o Surto e a Dispersão do Coronavírus”.

Quando começou a estudar o surto do Coronavírus? E o que o levou a iniciar-se nesta linha de investigação?

Larry: Na verdade, comecei desde o início porque havia curiosidades não só sobre o facto do surto, e em parte porque a China inexplicavelmente tinha sofrido seis deles – vários tipos de vírus de porcos, vírus de aves, todo o tipo de coisas, surgindo um após o outro somente nos últimos dois anos, tudo isto a acontecer enquanto estava a decorrer a guerra comercial.

Em todo o mundo tinham ocorrido alguns surtos de várias coisas, mas os únicos lugares onde tinha havido quaisquer surtos de vírus ou surtos de doenças de qualquer tipo, tinha sido nos locais de outros países onde as forças armadas dos EUA tinham bases de laboratórios biológicos.

Por exemplo, quando o ébola [vírus] eclodiu em África, ele eclodiu em três locais diferentes simultaneamente, a milhares de quilómetros de distância uns dos outros. E em cada caso, exactamente no local em que os EUA tinham um laboratório militar de armas biológicas. Isto não é prova de nada, mas foi apenas, um facto muito curioso.

E tendo a China tido esta longa sucessão de vírus que não tinha explicação, este último surto parecia realmente ser curioso.

Assim, comecei a estudá-lo desde o início e quanto mais o estudava, mais curioso se tornava.

Bonnie: Bem, declara que nos últimos dois anos durante a guerra comercial, que acabou de mencionar, a China sofreu várias pandemias e enumera seis delas num dos seus artigos.

Poderia falar sobre estas pandemias que atacam a vida selvagem, o gado, as colheitas e mesmo as pessoas na China, e a que conduzem estas pandemias?

Larry: Bem, não havia vida selvagem a ser atacada, mas quatro desses surtos eram de vírus de aves. Um deles,que aconteceu durante a crise do coronavírus, era extraordinariamente patogénico. Surgiu em Janeiro numa província da China, ao lado de Wuhan, ao lado da província de Hubei.

As quatro variedades desses vírus das aves, e o vírus dos porcos, eram agentes patogénicos invulgares. Não tinham sido detectados aqui, anteriormente, e não havia qualquer explicação para eles. Não havia qualquer vestígio da verdadeira origem, mas eram mortíferos.

E no caso do vírus do porco, a gripe suína, houve múltiplos relatos de partes muito diferentes da China de que alguém estava a fazer voar pequenos drones sobre as explorações suinícolas e a deixar cair ou a pulverizar alguma coisa.

Numa área muito grande de suinicultura – e a China só tem poucas grandes explorações de suínos, na maioria são pequenas explorações – mas numa grande quinta de criação de suínos,  no norte da China, os drones vinham com tanta frequência que os proprietários arranjaram algum equipamento de interferência para desactivar todos os drones e impedir a sua vinda.

Tiveram finalmente de parar porque as autoridades disseram que estavam numa rota de voo para um aeroporto e que estavam a afectar os aviões. Por isso, tiveram de parar de fazê-lo.

Mas houve relatos de drones de muitas, muitas partes da China a sobrevoar as explorações de suínos. Nunca ninguém os localizou.

Os meios de comunicação ocidentais tinham histórias sobre bandos chineses que tentavam matar todos os porcos para poderem lucrar de alguma forma, mas essa história não fazia qualquer sentido. Não havia provas de nada do género.

Mas tudo era apenas muito, muito estranho.

Não havia maneira de ligar esses factos a nada externo. Não havia nenhuma prova concreta.

Mas, somente o facto da China ter tido tantos desses ataques e ninguém mais no mundo ter nenhum – torna tudo, realmente, muito curioso.

E o único resultado de tudo isto foi que matou mais de metade dos porcos da China, o que significou que a China teve de importar biliões de dólares de carne de porco dos EUA.

Matou todas as galinhas, quatro vezes seguidas ou cinco vezes seguidas. Assim, a China teve de inverter a sua política e começar a comprar muito mais produtos agrícolas dos EUA.

E foi muito curioso, porque não tinha acontecido em mais nenhum lugar, e a China continuava a ter estas ocorrências, uma após outra, sucessivamente. E nenhuma delas estava relacionada uma com a outra. De cada vez que aconteceu, não era o mesmo vírus.

Bonnie: O facto de viver na China ajudou-o a rastrear a progressão do vírus, o coronavírus, ou poderia conseguir fazer a mesma análise se vivesse, digamos, nos Estados Unidos?

Larry: Penso que provavelmente estar aqui é uma vantagem porque tenho contactos, fontes de informação, que provavelmente não teria se estivesse fora da China. Provavelmente é muito mais conveniente fazê-lo a partir daqui.

Bonnie: Que metodologia utiliza para rastrear a propagação do vírus? Ou seja, recolhe provas dos principais meios de comunicação social, das estatísticas governamentais ou de outras fontes? Como é que faz a sua investigação?

Larry: Bem, na verdade é muito complicado. Inclui tudo o que mencionou e muito mais.

Este vírus começou quase como uma curiosidade para mim, mas acabou por ser três meses de investigação a tempo inteiro – dias muito longos, literalmente durante três meses.

Por isso, extrai tudo o que pude encontrar – obtido dos meios de comunicação de todos os países, de cientistas locais e internacionais.

Tenho amigos em Itália, por exemplo, contactos onde pude recolher informações de virologistas italianos sobre as suas opiniões sobre a origem, a causa e a expansão do vírus. Aconteceu o mesmo no Canadá. Da mesma maneira na Coreia do Sul.

Assim, tinha fontes de muitos lugares diferentes e era apenas uma questão de recolher tudo, juntá-lo e tentar ver o que fazia sentido.

Bonnie: No seu artigo de 4 de Março [2020], “O coronavírus da China: Actualização chocante: O vírus teve origem nos EUA? O Japão, a China e Taiwan informam sobre a origem do vírus”.

O que é que o Japão, a China e Taiwan relataram sobre as origens do coronavírus?

Larry: Bem, esta é a parte estranha, porque sempre que um vírus surge, a primeira coisa que cada país faz é tentar encontrar a fonte – efectivamente, o paciente 0.

Quer descobrir . . . Querem descobrir quem começou isto, quem foi a fonte original da infecção, para que possam parar a fonte.

Porque se tudo o que se faz é tratar as infecções que surgem, elas continuarão sempre a surgir, porque a fonte ainda anda por aí a infectar toda a gente.

Por isso, pretende rastreá-lo até à origem e pôr-lhe um fim, e depois pode tratar o surto e, finalmente, ele irá desaparecer..

Bem, [houve] um enorme esforço para tentar localizar a fonte, o paciente 0 original, depois aconteceu algo muito estranho, porque de repente eles pararam. E em vez disso, os chineses, não só os virologistas, mas também as agências de inteligência chinesas, deixaram de olhar para a China e começaram a olhar para fora da China, para o resto do mundo.

Recolheram, todos juntos, mais de 100 amostras do vírus de diferentes países em quatro continentes e começaram a fazer a sequência genética de todos eles.

E foi uma coisa muito estranha porque nunca disseram porque o fizeram, mas obviamente deixaram de procurar a fonte dentro da China porque algo aconteceu. Algo aconteceu que os levou a acreditar que o vírus vinha de fora do país.

Assim, deixaram de procurar na China e começaram a procurar no exterior. Essa foi a primeira coisa.

A segunda coisa que aconteceu quase ao mesmo tempo foi que, as agências noticiosas japonesas publicaram várias histórias e um programa de televisão dizendo que o vírus tinha quase de certeza origem nos EUA, que as pessoas tinham voltado ao Japão infectadas com o coronavírus já em finais de Setembro – turistas que regressavam dos EUA ao Japão – e outras informações.

E depois um virologista de Taiwan passou muito tempo a investigar. Deve ter tido acesso à mesma informação porque localizou todos os diferentes tipos e estirpes do vírus. E demonstrou conclusivamente num programa de televisão muito longo que o vírus tinha de ter tido origem dentro dos EUA porque todas as estirpes fora dos EUA eram essencialmente ramos de uma árvore. E esses ramos não poderiam ter existido sozinhos. Tinham de ter vindo do tronco original e esse tronco só existia nos EUA porque só os EUA tinham todas as diversas variedades do vírus.

Então foi aí que começou.

Bonnie: Em que momento da evolução deste vírus é que a China começou a procurar fora do país? Recorda-se?

Larry: Parece-me que desde o final de Janeiro.

Bonnie: Foi por volta da mesma altura que o CDC fez realmente o seu anúncio explosivo.

Então, como puderam os investigadores chineses concluir que o vírus teve origem fora da China? E como poderiam recolher todas essas amostras?

Larry: Bem, porque quando a China sequenciou pela primeira vez o genoma do vírus, enviaram-no para a OMS e outras pessoas, incluindo os EUA, fizeram o mesmo.

Mas as autoridades chinesas também foram aos EUA e presumo que as recolheram das autoridades sanitárias locais, mas também as receberam da OMS e também as receberam das autoridades sanitárias de todos os outros países.

Assim, recolheram tudo e depois compararam todas as variedades. Deveria ser muito simples de explicar, mas por alguma razão não é.

É que estes vírus, como posso dizê-lo, são como filhos de um pai. Não se pode ter uma criança a surgir sozinha. Tem de vir de algum lugar.

E, neste caso, existem cinco tipos dos chamados pais, e apenas os EUA têm esses cinco tipos.

A Coreia, Taiwan tinha uma variedade – de facto, a mesma que a Inglaterra.

A China tinha uma totalmente diferente das outras que era muito mais letal do que a da Coreia.

E países diferentes tinham tipos diferentes.

O Irão e a Itália sequenciaram os seus vírus e descobriram que eram diferentes do que se passava na China, pelo que as suas infecções não vinham da China. Vieram de qualquer outro lugar.

Mas o outro lugar só poderia ter sido os EUA, porque esse era o único lugar onde essas variedades existiam.

Bonnie: Estou a falar com o investigador, jornalista e autor, Larry Romanoff. O programa de hoje: COVID USA. Eu sou Bonnie Faulkner. Esta é Guns + Butter.

Segundo o seu artigo, aparentemente foi do mercado de marisco em Wuhan, China, que o novo coronavírus se espalhou rapidamente. O que descobriu sobre a entrada do vírus no mercado de Wuhan?

Larry: O que os virologistas chineses descobriram foi que o mercado não era, de modo algum, a origem do vírus. Na realidade, o vírus não tinha nada a ver com o mercado.

Seguiram-no até vários pontos na província de Hubei e na cidade de Wuhan, mas sem qualquer relação com o mercado.

E parece que o que aconteceu foi que os indivíduos originalmente infectados visitaram o mercado e, porque é um lugar muito movimentado, com um grande número de pessoas muito próximas umas das outras, todos eles infectaram muito rapidamente todas as pessoas que estavam no mercado e, realmente,  o vírus eclodiu rapidamente a partir de todos os múltiplos contactos no mercado.

Mas o vírus foi para o mercado antes de sair do mercado. Isso ficou provado e até existem … Daniel Lucey, que é um virologista americano, disse exactamente a mesma coisa. Ele também estudou este assunto. E foi citado como tendo dito que o vírus foi para o mercado antes de sair do mercado.

Portanto, na realidade, o mercado húmido era irrelevante.

E o mercado não vende morcegos e animais selvagens e todo o tipo de outras coisas. É, em grande parte, um mercado de marisco.

Portanto, tudo isso foi apenas fumo que foi criado pelos meios de comunicação social.

De facto, o mercado foi irrelevante para o surto. Teria acontecido mesmo que o mercado não tivesse existido.

O vírus foi semeado, plantado, eclodiu de alguma forma em muitos locais ao mesmo tempo em Wuhan, e a partir daí apenas foi transportado para a cidade. O mercado acabou por ser um local conveniente para o espalhar.

Bonnie: Quer dizer que no mercado de marisco não estão a vender morcegos e algo chamado pangolins, ou seja lá o que for…

Larry: Não.

Bonnie:. . todas estas coisas estranhas?

Larry: Não, não, não. Não, não, não. Isso é fumo. Não, não, não.

As pessoas na China não comem morcegos. E também não comem pangolins.

As fotos que estavam nos vídeos que circularam foram tiradas em Palau, na Micronésia do Pacífico Sul, porque lá as pessoas comem morcegos como uma iguaria. E o vídeo era de um guia turístico chinês que estava lá com um grupo turístico e a população local deu-lhe uma tigela de sopa de morcego para experimentar e mostraram o vídeo do mesmo.

E depois as pessoas pegaram nesse vídeo e promoveram-no como pessoas chinesas a comer morcegos. Mas isso nunca foi verdade. E nunca houve morcegos à venda em qualquer parte da China – nunca.

Bonnie: Não é interessante, porque vi uma fotografia dessa mulher a tentar comer um morcego de uma sopa…

Larry: Sim.

Bonnie:. . e depois penso que a vi a pedir desculpa mais tarde online. Isto é mesmo uma loucura.

Larry: Bem, esse vídeo foi gravado há quatro anos.

Bonnie: Então, quem colocou estes vídeos online?

Larry: Não faço a menor ideia. Alguns deles vieram da VOA (Voice of America) e da Radio Free Asia, que são essencialmente frentes de propaganda da CIA.

Mas uma vez publicados online, todos os que o considerarem ser provocador/emocionante irão propagá-lo e transmiti-lo a outra pessoa para que se espalhe como um vírus. Chega a toda a parte e é muito difícil localizar a fonte original.

Mas alguém pegou nesse vídeo e estava só a usá-lo como cortina de fumo, somente para tentar atribuir as culpas à China – para implicar a China por sugestão.

O mesmo se aplicava ao chamado laboratório de virologia da Universidade de Wuhan, que era totalmente insignificante. Mas eles disseram que a China o tinha e que estava situado muito perto do mercado de marisco, pelo que essa era a causa da pandemia.

Mas, mais uma vez, estavam apenas a criar muito fumo para confundir toda a gente através de uma espécie de provas circunstanciais, tentando atribuir a culpa do surto à população local.

Mas tudo isto eram notícias falsas.

Bonnie: Não é interessante? Porque li muito sobre este laboratório de nível biológico 4, em Wuhan, referindo que já teve fugas antes das pessoas o afirmarem. Isto não é verdade?

Larry: Não, não. A China teve apenas um exemplo de fugas e foi há 10 anos, em Pequim, onde construíram o seu primeiro laboratório e alguns vírus irromperam duas ou três vezes, mas isso foi mínimo e nunca mais aconteceu desde então.

E o laboratório Wuhan, é um laboratório BS4 para lidar com vários tipos de agentes patogénicos, mas nunca houve fugas e não é um laboratório de armas biológicas. É apenas uma parte da virologia da Universidade.

O facto da sua localização ser em Wuhan pareceu-me implícito, mas como mencionei num dos meus artigos, são os EUA que têm todos os virus causadores dos surtos.

Mencionei num dos meus artigos que, de 2012 a 2017, os EUA tiveram 1.059 surtos de agentes patogénicos, fugas de laboratórios bio-3 e bio-4. 1.059 em sete anos. E muitos deles foram graves.

O último foi em Fort Detrick, US AMRIID [U.S. Army Medical Research Institute OF Infectious Disease], que o CDC encerrou devido a fugas perigosas, e permaneceu fechado durante seis meses. Não foi insignificante. Não foi como se o tivessem encerrado durante o fim-de-semana. Fecharam o laboratório na totalidade. E  é um lugar monstruoso – 80.000 metros quadrados. Por isso, quase um milhão de pés quadrados. É um lugar enorme.

E é tudo material de laboratório de armas biológicas do Exército dos EUA. E o CDC deu-lhes uma ordem de cessar e desistir e eles encerraram todo o local durante seis meses.

E mesmo assim, abriu em Dezembro. Só conseguiram abrir parcialmente para continuar algum trabalho, mas foram necessários seis meses de testes e descontaminação para limpar aquele local.

Assim, os meios de comunicação social americanos, e os meios de comunicação social ocidentais em geral, ignoraram tudo isto e culparam a China por fugas em Wuhan, que nunca existiram.

E as únicas fugas que a China teve foram, como disse, em Pequim há 10 anos. Mas ignoraram mais de 1.000 fugas graves que aconteceram nos EUA.

Portanto, não é a China que tem fugas.

Bonnie: Não é interessante? Porque a implicância é sempre que o laboratório de nível biológico 4 em Wuhan, na universidade como o Snr. explica, está sempre descrito como se fosse um laboratório de armas biológicas.

Larry: Sim, e não é. Nunca teve qualquer ligação com o Exército.

Conheço bem o local. Não vivo assim tão longe de Wuhan. Já estive muitas vezes em Wuhan. Conheço a universidade e estou familiarizado com o laboratório. E é apenas uma parte do Departamento de Biologia. Não tem absolutamente nada a ver com o Exército.

Bonnie: Uau!

Larry: Portanto, tudo isto foi apenas fumo criado nos meios de comunicação social ocidentais para tentar, por implicância, sugerir que a China era responsável pelo surto.

Mas a parte realmente insensata é que este vírus, quando eclodiu, era 100% específico da China. Não atacou mais ninguém.

Há milhões de estrangeiros na China. Há milhares e milhares e milhares em Wuhan. E não houve um único infectado caucasiano.

O vírus era 100% específico para atacar a China.

E mesmo no final, após vários meses, tanto quanto eu saiba, havia  um único caucasiano – creio que um alemão – que foi infectado pela versão chinesa do vírus.

Portanto, nenhum país vai criar um agente patogénico perigoso que ataque apenas o seu próprio povo. Quero dizer, porque é que a China faria tal coisa?

Bonnie: Então está a dizer que este vírus em Wuhan era geneticamente específico dos chineses?

Larry: Absolutamente. Absolutamente. 100%. Ninguém mais foi infectado por ele.

Bonnie: Bem, isso é bastante explosivo. Lembro-me de ler que os chineses tinham expulsado um bando de americanos da China por terem recolhido ADN ali.

Larry: E fizeram. Fizeram-no. Vamos voltar a isso por um segundo, porque é muito importante.

Mas no que diz respeito à parte de Wuhan, quero dizer, há realmente muitos, muitos, muitos milhares de estrangeiros, americanos, em Wuhan. E absolutamente ninguém foi infectado. Portanto, foi 100% específico da China, e sim, isso é muito explosivo porque não há maneira de um vírus natural atacar apenas uma raça de pessoas.

Em Itália e no Irão, as estirpes do vírus são diferentes. Não são as mesmas que as da China. Estão a atacar italianos e iranianos. E o mesmo é válido para a Coreia do Sul.

A Coreia do Sul tem uma estirpe totalmente diferente da China. É muito menos letal mas mais infecciosa. E está a atacar apenas os sul-coreanos. Não vai a mais lado nenhum. Bem, lamento. Taiwan também a tem – o mesmo tipo – mas é muito suave. É uma estirpe totalmente diferente.

Portanto, esta estava a atacar apenas os chineses.

E foi uma loucura porque nos meios de comunicação social diriam que a França teve as suas primeiras infecções por este coronavírus, mas quando os localizou, não foi a França. Foram duas pessoas chinesas que viajaram da China para França que foram infectadas.

E eles diriam: “A Austrália tem o seu primeiro caso de coronavírus”, mas que mais uma vez foi uma pessoa chinesa. Havia inteiramente, 100%, chineses que foram infectados.

E essas infecções não estavam relacionadas com surtos eventuais.

Tal como em Itália, houve dois ou três italianos que foram detectados infectados em Itália. Foram colocados em quarentena. Isso passou, e depois o surto em Itália ocorreu num local totalmente diferente, em pessoas que não tiveram qualquer contacto com esses viajantes chineses. Foi um surto doméstico – totalmente sem relação.

Mas os meios de comunicação social, ao mesmo tempo  faziam parecer que a China tinha estado a espalhar este vírus por todo o mundo aos franceses, aos australianos, aos italianos, e isso nunca foi verdade. Isso nunca foi verdade.

Foram apenas os chineses que foram infectados por este vírus.

A propósito, a mesma coisa aconteceu com o SARS. Foi 99,5% de chineses. Alguns vietnamitas foram infectados e mais ninguém.

E mesmo eles fizeram um grande alarido sobre o Canadá ter cerca de 40 casos da SARS, mas todos eles eram chineses que tinham viajado para a China, tinham sido infectados e regressaram ao Canadá e que tinham infectado o pessoal médico chinês.

Não houve nenhum não chinês que estivesse infectado com SARS. E o mesmo se passa agora com este coronavírus.

Assim, o surto inicial durante os primeiros meses foi inteiramente específico da China. E isso não pode acontecer por acaso.

Bonnie: Estou a falar com o investigador, jornalista e autor, Larry Romanoff. O programa de hoje: COVID EUA. Eu sou Bonnie Faulkner. Esta entrevista é de Guns + Butter.

E depois iremos falar um pouco sobre: Quem eram estes americanos que estavam a recolher ADN na China, e depois a China afastou-os do país?

Larry: Oh, isso foi mau. Foi a Universidade de Harvard. Harvard fez um acordo com o Exército dos EUA, e não sei quem mais, para vir à China. Tinham um programa de investigação. Queriam fazer estudos. Inicialmente disseram que se tratava de asma.

Mas o que eles queriam fazer era recolher amostras de ADN.

E o governo chinês recusou-se a concordar com o estudo.

Assim, sem dizer a ninguém, enviaram uma equipa de pessoas de Harvard para a China, para a província de Anhui, propondo-se fazer algum estudo local sobre a asma e algumas doenças em Anhui, que é uma espécie de província pobre da China.

Mas o que fizeram foi recolher e acumular centenas de milhares de amostras de ADN chinês e depois retirá-las do país – penso que, de facto, em malas diplomáticas.

E quando o governo soube disso, houve consequências graves. Houve processos em toda a China, nos Estados Unidos, Harvard foi arrasada pela falta de ética, e o governo chinês ficou muito furioso por essa universidade  o ter feito, porque esse estudo já tinha sido especificamente proibido anteriormente.

Mas eles voltaram a entrar e fizeram-no de qualquer forma e tiraram tudo do país sem que ninguém soubesse. E só foi descoberto quando escreveram e publicaram um artigo sobre esse assunto.

E depois alguns jornalistas do China Daily começaram a fazer uma investigação e descobriram toda a grande confusão.

E a Universidade de Harvard disse que tinham obtido autorização do governo chinês a vários níveis, e ficou provado que todas essas cartas de autorização tinham sido forjadas. Eram inteiramente falsas.

Disseram que tinham obtido cartas de autorização de cada indivíduo de quem tinham obtido amostras de ADN, mas depois, quando houve uma investigação legal pelo Departamento de Justiça dos EUA, a Universidade de Harvard destruiu subitamente toda a documentação alegando preocupações pela privacidade dos pacientes.

E de repente não havia qualquer tipo de prova, e não havia mais provas de nada. Portanto, nenhuma investigação pôde ser concluída.

Assim, só obstruíram tudo, ao rasgar todos os documentos. Portanto, não havia maneira de provar nada.

Mas os investigadores na China contactaram milhares dos designados “doentes”, e ninguém tinha sido solicitado para assinar qualquer tipo de documento ou carta de consentimento ou autorização, ou qualquer outra coisa.

Não houve absolutamente nenhuma permissão. Não havia documentos. Não havia acordos, não havia nada.

Fizeram-no silenciosamente, às escondidas, e depois levaram tudo de volta para os Estados Unidos.

Foi uma enorme confusão.

Bonnie: E em que altura é que isto aconteceu? E estavam,obviamente, estavam a recolher o ADN de doentes chineses, certo?

Larry: Sim. Era exclusivamente o ADN que eles estavam a verificar. Isto foi por volta de 1999 ou 2000.

Bonnie: Está bem, então isso foi há muito tempo. Muito bem.

Larry: Sim. E a suspeita na altura era muito grande que o estavam a fazer para a investigação de armas biológicas. Essa é uma das razões pelas quais o governo estava tão zangado quando isso aconteceu.

E Harvard não foi autorizada a voltar a entrar.

Bonnie: O virologista chinês que cita, diz que a localização geográfica com a maior diversidade de estirpes de vírus deve ser a fonte original porque uma única estirpe não pode emergir do nada, o que tem sido descrito por si.

Que país tem as estirpes do vírus mais diversas, e que países têm apenas uma estirpe?

Larry: A maioria dos países tem apenas uma estirpe. Os EUA têm todas.

A China tem uma estirpe, que é mais letal do que a gripe normal. Tinha uma pequena bolsa em Guangzhou de uma estirpe diferente – uma muito suave – que foi rapidamente contida e morta, e que não chegou a nada.

A Austrália tem 90% de uma estirpe e um pouco de uma segunda. O Primeiro Ministro australiano disse que 80% das suas infecções vieram dos EUA, por isso, uma única estirpe.

Mas os Estados Unidos é o único país que tem todas elas. A maioria dos países tem apenas uma.

Bonnie: Será que todas estas estirpes diferentes de coronavírus que existem nos Estados Unidos, estão todas a flutuar entre o público? Onde estão localizadas estas estirpes nos Estados Unidos?

Larry: Bem, houve um grande surto no estado de Washington, que parece ter sido onde começou. Neste momento Nova Iorque é o epicentro, e não sei como é que Nova Iorque chegou a ser o epicentro.

Mas é óbvio que . . . Nova Iorque tem 40~50% de todas as mortes nos EUA e cerca de 40 ou 50% de todas as infecções. Por isso, de alguma forma, foi levada para Nova Iorque.

Mas, na verdade, há algo mais nesta história que penso que ninguém sabe.

Há uma virologista chinesa, uma médica, (Helen Chu) no estado de Washington, que tinha feito estudos sobre a gripe – apenas gripe normal – durante vários meses, com início em Outubro-Novembro-Dezembro de 2019.

E ela tinha estado a recolher esfregaços de garganta e esfregaços nasais de pessoas de todo o estado de Washington. E tinha acabado de os catalogar e de os guardar.

E quando o novo coronavírus surgiu, ficou preocupada, pois quando ela e as suas equipas estavam a recolher estes esfregaços de pessoas no estado de Washington, estavam a encontrar sintomas de uma doença que não era a gripe, que havia algo novo e muito estranho a acontecer e ela ficou cada vez mais preocupada que houvesse um novo agente patogénico a flutuar por aí.

E pediu ao CDC autorização para começar a fazer testes a estes esfregaços que tinham recolhido durante meses sobre o coronavírus, e o CDC recusou-se a dar-lhe autorização.

E, de facto, quando ela insistiu bastante que havia algo muito estranho a acontecer e que eles precisavam de o localizar, o CDC teve um . . . Penso que foi uma vídeo-conferência. Não me consigo lembrar. Penso que foi uma vídeo-conferência com o CDC e a Dra. Chu e a sua equipa e as autoridades sanitárias estatais e outras pessoas, e eles deram-lhe uma ordem oficial de cessar e desistir e proibiram-na absolutamente de testar qualquer um desses esfregaços para detectar o coronavírus.

E então, finalmente, no fim de Fevereiro, a Dra. Chu ficou tão preocupada porque havia algo mesmo muito errado e que as pessoas iam começar a morrer, que ela desobedeceu a essas ordens e mesmo assim, testou alguns desses esfregaços anteriores e, claro, encontrou o coronavírus, e foi por esse motivo que as notícias surgiram nos EUA.

Se não fosse por esse motivo, nunca ninguém teria sabido.

Mas nessa altura, milhares, ou dezenas de milhares, de pessoas no estado de Washington já tinham sido infectadas.

Já tinham morrido dezenas de pessoas nos lares de idosos. E foi aí que a doença começou originalmente nos Estados Unidos da América.

E mesmo depois disso, a Dra. Chu foi novamente impedida e proibida de fazer mais testes.

O CDC alegou que, devido aos esfregaços terem sido recolhidos de americanos para testes de gripe, não era ético testar estes esfregaços para outra doença porque se estava a violar a sua privacidade e teria de voltar atrás e obter autorização de cada uma dessas pessoas antes de poder voltar a testar, o que é completamente louco.

Quer dizer, se suspeitar que o esfregaço que me tirou pode ter uma doença perigosa, dizer que não é ético testá-lo para investigar doença, não averiguar nada e deixar-me morrer, é simplesmente uma loucura.

DEVERIAM ter ponderado a ordem dada antes, mas o CDC recusou absolutamente e penso que, provavelmente, vão destruir todas as amostras.

Mas isso provaria provavelmente que o vírus estava a flutuar em torno do estado de Washington em Outubro e Novembro passados. Mas eles estavam apenas a atribuir todas as mortes à gripe e não estavam a fazer quaisquer testes.

E, de facto, o CDC ordenou aos médicos americanos que não testassem, especificamente não testassem, o coronavírus, mas sim a gripe e que testassem primeiro qualquer outro tipo de doença possível.

E se encontrassem sintomas de qualquer outra doença, eles parariam por aí. Nunca deveriam testar para detector o coronavírus.

E, pela minha experiência, se você não fizer uma pergunta, é porque já sabe a resposta e não quer que mais ninguém saiba.

Mas todos eles foram proibidos, especificamente proibidos, de testar para detectar a presença do coronavírus.

Bonnie: O que não compreendo, se olharmos para esta questão de um ponto de vista político, o que se passa em Itália? Porque aconteceria um surto deste tipo no norte de Itália? Tem alguma ideia sobre este assunto?

Larry: Do ponto de vista geopolítico, a Itália é odiada amargamente pelo governo dos EUA, em parte porque se juntou à iniciatva “Belt and Road” da China, em parte porque tem participado com a China em muitas das iniciativas mundiais, em parte porque se recusou a aderir plenamente à integração financeira a 100% da UE. A Itália tem mantido essencialmente as suas infraestruturas bancárias e de crédito separadas do resto da UE e tem sido odiada por esse motivo,desde há muito tempo.

Há várias explicações muito boas para que algumas pessoas gostassem de punir a Itália muito, muito, em comparação com a Alemanha ou qualquer outro país.

A Itália é definitivamente um alvo. É odiada amargamente.

Bonnie: Bem, isso é muito interessante. Não percebi isso em Itália, principalmente que os italianos não tinham integrado completamente o seu sistema financeiro e bancário no da UE. Desconhecia esse pormenor.

Larry: Sim, muitas pessoas não sabem, especialmente o sistema de crédito bancário, sobre o qual a UE tem vindo a lutar contra a Itália há muito tempo. Eles queriam muito engolir a Itália e a Itália tem-se recusado a isso, o que foi um grande pomo de discórdia durante muito tempo.

Assim, a Itália, de um ponto de vista geopolítico, há muitas boas razões para querer causar essencialmente um colapso económico à Itália, para forçá-la financeiramente a integrar-se plenamente na UE.

E esse vai ser o efeito pretendido. A Itália vai ser tão duramente atingida, vai ter tanta dívida, e a sua economia vai ser suficientemente danificada, que o sistema bancário vai enfrentar sérios problemas e, provavelmente, não terão outra escolha senão fazer o que a UE quer que eles façam.

Esse será o principal resultado do vírus em Itália.

Bonnie: Semelhante à Grécia, certo?

Larry: Sim. Sim. Sim, a Grécia aconteceu sem o vírus, mas foi o mesmo tipo de coisa que aconteceu. A Grécia foi apenas forçada a isso, e a Itália vai agora sofrer o mesmo efeito. Provavelmente não há nada que o impeça.

E, geralmente, em qualquer questão geopolítica, a primeira pergunta a fazer é: Quem beneficia com isto?

Porque é sempre um erro assumir que os resultados não foram planeados. São quase todos planeados.

Então, quando se olha para o resultado, qual é o benefício? Quem beneficia? E, neste caso, a UE beneficia porque engole o sistema financeiro italiano, e a Itália é punida por participar com a China. Este é essencialmente o resultado.

Com o Irão, é especialmente preverso. Mike Pompeo fez um discurso no outro dia. Na verdade, Mike Pompeo enviou uma circular a todo o pessoal do Departamento de Estado, a todos – a todo o pessoal do Serviço Externo – dando-lhes pontos de conversa sobre [ininteligível] muito especificamente. Recebi uma cópia desses documentos sobre como culpar a China pelo vírus e pela infecção mundial, e, especificamente, disse-lhes que em cada entrevista noticiosa, para afirmarem que “os Estados Unidos são a nação mais humanitária que alguma vez existiu na História do mundo”. OK? Esta é uma citação de Pompeo.

Mas entretanto, uma das primeiras coisas que aconteceu quando o vírus eclodiu foi que a administração dos EUA aplicou ainda mais sanções ao Irão para garantir que este país não pudesse obter fornecimentos médicos.

Só a China é que violou estas sanções e deu ao Irão qualquer esperança de poder tratar o povo porque o Irão foi totalmente impedido de obter qualquer material médico de qualquer parte do mundo.

E isto foi instituído após o surto do vírus por parte da administração Trump, o que não é muito agradável.

Bonnie: Estou a falar com o investigador, jornalista e autor, Larry Romanoff. O programa de hoje: COVID USA. Sou Bonnie Faulkner. Transmite Guns + Butter.

No seu artigo de 6 de Março [2020], porque é que os EUA aparentemente não estão a testar o coronavírus de 2019, salienta que os Centros de Controlo de Doenças dos EUA, o CDC, não estão a testar o novo coronavírus, COVID-19, e que não existem testes fiáveis nos EUA.

Bonnie: O que quer dizer com “Não existem testes fiáveis nos Estados Unidos”?

Larry: Bem, desde o início, recuando agora a Janeiro, o CDC produziu alguns testes de vírus, que apresentavam falhas graves.

Distribuiram-nos e todos os estados se opuseram imediatamente, dizendo que os resultados eram totalmente incorrectos. Eram caóticos.

Faziam dois testes à mesma pessoa. Um dava fortemente positivo, outro negativo.

Eram completamente pouco fiáveis.

E o CDC acabou por dizer a toda a gente para os descartar simplesmente porque tinham falhas.

Ao mesmo tempo, a OMS tinha um teste de pesquisa muito bom que oferecia aos EUA, e o CDC recusava-se a utilizá-lo.

Trump disse numa das suas entrevistas noticiosas que os testes da OMS não eram bons, mas isso não é verdade. Eram perfeitos.

O CDC produziu um teste defeituoso e depois não produziu mais nada. Deixaram a situação prolongar-se. Não produziram nenhum teste de qualquer tipo.

Por isso, não havia testes disponíveis nos EUA.

A certa altura, em meados de Fevereiro, a Califórnia disse que só restavam dois kits de teste em todo o estado. Nova Iorque tinha ainda menos. E a maioria dos estados não tinha nenhum.

Não havia testes disponíveis em todos os Estados Unidos da América, e o CDC recusou-se a produzir algum.

Então o CDC começou a dizer que as pessoas deviam fazer contratos com fabricantes privados para ver se conseguiam obter testes.

Então as pessoas tentaram fazer isso mesmo, mas depois esses fabricantes privados tiveram de ir ao CDC para obter a aprovação para os testes, e o CDC demorou a responder e recusou-se a aprová-los.

Assim, esta situação arrastou-se durante . . . Este processo prolongou-se durante cerca de dois meses.

Portanto, ninguém conseguia fazer quaisquer testes.

Finalmente, há alguns testes que estão a ser feitos agora,[em Abril de 2020] mas, de facto, ninguém sabe realmente.

O CDC está a utilizar . . . Não me consigo lembrar da palavra, mas é “presumíveis infecções”.

Assim, os números que vê nos vossos jornais a dizer-vos que os EUA estão com 100.000 em infecções e 5.000 mortes ou algo parecido, esses números não são exactos.

O CDC não está, de facto, a testar. Na realidade, estão apenas a adivinhar.

Fizeram o mesmo com a gripe H1N1 há alguns anos. Usaram apenas “taxas de infecção hipotéticas”. Portanto, realmente ninguém sabe nada.

Mesmo hoje ainda não há muitos testes a serem feitos nos EUA.

Mas há outra coisa que devem saber que ninguém parece estar ciente.

O CDC não é o que parece ser. Seria de esperar que o CDC fosse o irmão mais velho do NIH, o Instituto Nacional de Saúde, por exemplo, como uma organização civil dedicada à preservação da saúde dos americanos.

Mas não é esse caso.

O CDC é, na realidade, a mãe do laboratório de armas biológicas de Fort Detrick. Faz parte do exército dos EUA.

No final da Segunda Guerra Mundial, quando a unidade japonesa 731 na China, foi apreendida por realizar todas as suas experiências de agentes patogénicos biológicos na China e fazer todas as suas experiências humanas, a razão pela qual evitaram os julgamentos por crimes de guerra foi que o Exército americano, representado pelo General Douglas MacArthur, fez um acordo com Shiro Ishii para que todos os seus documentos e toda a sua unidade fosse transferida para os Estados Unidos.

E havia pelo menos 4~5.000 deles, e penso que talvez até 10.000. [Foram] transferidos para os Estados Unidos com toda a sua experiência e prática com armas biológicas, documentos – tudo.

Foram todos colocados nas bases militares dos EUA, e foram todos transferidos para os EUA.

Nessa altura, algumas dessas pessoas foram transferidas para o recém-formado CDC, que faz parte do exército dos EUA. Nunca foi uma organização civil.

E o exemplo que foi utilizado foi o Iraque, que o CDC tinha enviado uma longa lista de tudo, desde antrax à peste bubónica, passando pelos coronavírus, até aos coronavírus sabe Deus o quê – uma longa lista de coisas para o Iraque e para outros países.

E o CDC negou-o calorosamente e disseram que eram tão puros como a neve e que nunca fariam tal coisa e que eram puramente uma organização civil e que não tinham nada a ver com agentes patogénicos.

Mas depois o USA Today publicou uma lista de embarque em papel timbrado do CDC, que mais parecia o sonho de um terrorista. Era uma lista de todos estes agentes patogénicos biológicos que o CDC tinha vindo a vender em todo o mundo a vários países.

Portanto, o CDC ficou calado, e o assunto foi retirado dos meios de comunicação social. Simplesmente, desapareceu do radar.

Mas o CDC tem vindo a comercializar agentes patogénicos biológicos a nível internacional há décadas.

O CDC faz parte do exército dos EUA. Não é uma organização civil.

Portanto, é mais confuso do que parece ser.

Bonnie: Bem, o que eu não entendo politicamente é este confinamento, certo? Esta coisa tornou-se global. Há todos estes países em confinamento.

Agora, aqui nos Estados Unidos, está a destruir todas as pequenas empresas, talvez até as médias empresas.

Isto não parece ser a resposta apropriada a uma pandemia.

Larry: Bem, penso que se seguir a minha teoria anterior, os bloqueios nunca deveriam acontecer. Não era suposto acontecer nada. Supunha-se somente ser atribuído à gripe e a vida teria continuado como se tudo fosse normal, e não teria havido efeitos particulares.

Os hospitais teriam visto um aumento do número de mortes, mas na realidade, nada mais do que isso.

Mas quando escapou a notícia de que o coronavírus estava à solta nos EUA e se tornou do conhecimento público, então as autoridades sanitárias locais, que não fazem parte de nenhum plano nacional para nada e não fazem parte do CDC, as autoridades sanitárias locais estavam a tentar proteger o seu próprio povo.

E quando começaram a fazer os seus próprios testes e perceberam que o vírus estava a espalhar-se, tomaram a iniciativa de iniciarem os confinamentos.

Foi Nova Iorque que decidiu encerrar Nova Iorque. Não foi a administração Trump nem o CDC que decidiram fazê-lo.

E o mesmo é verdade na Califórnia e em muitos outros estados e cidades. Eles tomaram a iniciativa para tentarem proteger-se. Não foi uma directriz nacional.

Na China foi a nível nacional que o governo decidiu: é assim que vamos lidar com a pandemia. Vamos colocar todas estas áreas em quarentena, confiná-las e impedir que o vírus se propague. A orientação veio do topo.

Nos E.U.A., nada veio do topo. Veio tudo de baixo.

Bonnie: No seu artigo devastador, “A Humanidade numa encruzilhada”: Ligando os Pontos ao Nosso Admirável Mundo Novo”, escreve que “as potências financeiras da Europa e da América estão a planear um governo mundial super-soberano dentro do seu controlo absoluto. Seria preciso ser tolo para ignorar o enorme volume de provas”.

Considera o confinamento global do coronavírus como um passo na direcção deste governo mundial super-soberano?

Larry: Sim, absolutamente. Absolutamente. Absolutamente.

Se pensar mais uma vez nos resultados, uma das coisas que aconteceu, mencionou que está a matar pequenas e médias empresas. Está também a matar as companhias aéreas.

Todas elas vão estar à beira da falência muito rapidamente. E alguém vai comprar todo o stock a todas essas companhias aéreas por alguns cêntimos.

E quando o vírus desaparecer, alguém vai ser dono de todas as companhias aéreas do mundo.

Isso não é nada.

Bonnie: É isso que me faz sentir que esta pandemia é falsa. Mas não é falsa porque as pessoas estão a morrer. Por isso, não percebo.

Larry: Bem, se pensarmos em armas biológicas, normalmente pensamos: se odeio o seu país, gostaria de libertar a peste bubónica e matar metade do seu povo.

Mas normalmente, isso não é o que realmente acontece. Se eu odeio o seu país, há melhores formas de lidar com agentes patogénicos biológicos do que simplesmente matar-vos.

As doenças são muito mais caras e difíceis de tratar do que as mortes.

Se quero realmente causar danos a um país, não quero um vírus que mate toda a gente. Quero um vírus que ponha toda a gente doente, porque isso mata os vossos hospitais. Desmorona o vosso sistema de saúde. Coloca uma enorme pressão sobre a vossa economia. Pode fazer ruir toda a economia.

Pode levar à falência todos os bancos, o sistema financeiro do país e o sistema de crédito do país.

Poderia colocar centenas de milhões de pessoas no desemprego.

Poderia causar tantos prejuízos financeiros que poderia não recuperar, ou poderia não recuperar durante 10 ou 20 anos.

Portanto, este coronavírus encaixa perfeitamente neste molde, porque o que ele faz é criar um enorme prejuízo financeiro, por exemplo, em Itália, sem realmente ter de destruir o país.

Assim, de certa forma, poder-se-ia dizer que o vírus é falso na medida em que não está realmente a tentar matar as populações. Mas está a tentar fazer outra coisa, e vai ser muito eficaz.

As companhias aéreas americanas dizem agora que precisam de, pelo menos, 50 biliões de dólares imediatamente em dinheiro só para sobreviver a curto prazo.

E a maioria das companhias aéreas, grandes companhias internacionais, já reduziram a sua capacidade em 80~90%.

Portanto, toda a gente está realmente, verdadeiramente a sofrer.

Algumas companhias aéreas estão reduzidas a 5%, 10%, da sua capacidade anterior. Quase não têm passageiros.

Por isso, muitas dessas empresas estão a ser muito, muito prejudicadas, e no fim, alguém vai comprá-las.

Perguntou-me qualquer coisa sobre viver na China.

Bonnie: Sim.

Larry: Um pensamento que eu gostaria de deixar convosco é que a China é, na verdade, um tipo de lugar muito mais amistoso para se viver do que é pintado nos meios de comunicação ocidentais, em geral.

Eu sou do Canadá, e o Canadá é praticamente o mesmo que os EUA, e eles descrevem a China como uma espécie de lugar ditatorial e autoritário e, na verdade, é precisamente o oposto.

E vou dar-vos um par de exemplos não relacionados para tentar dar-lhes algum sabor.

Um dia, há alguns anos, cheguei a casa depois do jantar à noite e descobri que não tinha electricidade. Foi apenas um disjuntor que tornamos a ligar, nada de especial.

Mas na altura exprimi o meu pensamento em voz alta à minha amiga, se talvez a minha electricidade tivesse sido cortada, porque me tinha esquecido de pagar a minha conta.

E ela lançou-me um olhar muito estranho, e disse: “Nunca ouvi falar de tal coisa”.

Assim, no Canadá e nos EUA e em muitos outros países, se não pagar a sua conta de electricidade até 12 de Julho, descobre que não tem electricidade e acaba por pagar taxas de ligação e muitas outras coisas.

Na China, isso nunca aconteceria. Eles nunca o castigariam.

Bonnie: Isso é muito interessante, porque eu estou sempre . . . Lemos sobre o sistema de crédito social na China e como eles estão a tentar espiar toda a gente. E se atravessarmos a rua fora da passadeira, ficamos com um demérito, e depois não podemos andar de autocarro ou assim.

Larry: Não. Na verdade, é muito comum atravessarmos a rua fora da passadeira ou passar um sinal vermelho mesmo com um polícia ali parado.

O sistema de crédito social existe de facto porque a China não tem formas de punir as pessoas como nós fazemos no Ocidente, por aquilo que poderíamos designar como transgressões civis. Não há leis para lidar com esses casos.

Portanto, penso que o que estão a tentar fazer é ter este sistema para substituir leis de vários tipos.

No Ocidente, podemos atirar uma pessoa para a prisão por causar uma perturbação. Poderíamos fabricar algum tipo de carga genérica.

A China não tem nada disso. Assim, se há pessoas que causam muitos problemas sociais, ou se têm dívidas que se recusam a pagar, ou não são capazes de pagar, encontrar-se-ão neste Sistema de Crédito Social e não poderão comprar bilhetes de primeira classe ou bilhetes de comboio e tornam as suas vidas cheias de dificuldades até começarem a comportar-se correctamente.

Mas isso não se deve à vigilância ou a um Estado autoritário. É porque não existem leis para punir as pessoas por coisas que são muito comuns nos Estados Unidos.

Quer dizer, nos E.U.A. temos normalmente punições por todas estas coisas.

Na China, esses castigos não existem. Portanto, é realmente esse o seu objectivo. É muito diferente.

Outro tipo de coisa: no Canadá ou nos EUA, nunca ninguém passa pela polícia na auto estrada a conduzir à velocidade máxima.

Bonnie: Ha, ha, ha. Isso é verdade.

Larry: Na China, acontece frequentemente.

E uma vez mencionei isso a um amigo meu, e ele disse: “Por que é que eu deveria ter medo dele? Ele é meu servo, não é o meu amo”.

Bonnie: Oh!

Larry: A atitude aqui é totalmente diferente.

Uma vez estava de pé, na plataforma do comboio Maglev, no aeroporto de Pudong e estava a observar um homem e a sua esposa a terem uma discussão acesa com um polícia.

Não estava suficientemente perto para saber do que se tratava, mas a discussão terminou com a esposa do homem a dar pontapés nas canelas do polícia.

Escrevi na altura: “Consigo pensar em muitas cidades ocidentais em que isso não teria sido uma boa ideia”.

Bonnie: Ha, ha, ha, não brinque.

Larry: Portanto, aqui é realmente muito diferente.

Pode-se realmente fazer muito mais coisas na China, especialmente coisas pequenas, quebrar as regras, e não há punições, não há sanções.

A vida aqui é realmente muito mais livre do que seria para mim no Canadá ou nos E.U.A. Tenho mais liberdade aqui do que em qualquer outro lugar.

Isso pode ser difícil de acreditar, mas é realmente verdade. Está a 180º da forma como é retratada nos meios de comunicação ocidentais. É um lugar agradável e feliz para se viver.

Bonnie: Larry Romanoff, muito obrigada.

Larry: O prazer é todo meu.

Bonnie:Tenho estado a falar com Larry Romanoff. O programa de hoje: COVID USA. Larry Romanoff é um investigador, jornalista e autor. Larry Romanoff, consultor administrativo e empresário aposentado, ocupou cargos executivos de responsabilidade em empresas de consultoria internacionais e foi proprietário de uma empresa internacional de importação e exportação.

Exerceu o cargo de Professor Visitante na Universidade Fudan de Shanghai, ministrando casos de estudo sobre assuntos internacionais para turmas avançadas de EMBA.

O Snr. Romanoff reside em Shanghai e, actualmente, está a escrever uma série de dez livros, de um modo geral, relacionados com a China e com o Ocidente. 

Os seus artigos estão postados em Moon of ShanghaiBlue Moon of Shanghai .  

Guns + Butter é produzido por  Bonnie Faulkner, Uro Marko e Tony Randal. Visite-nos em  www.gunsandbutter.org para escutar programas anteriores, comentar os nossos programas ou adicionar a nossa lista de email para receber o nosso boletim informativo que inclui programas e actualizações recentes.

Escreva-nos para o email faulkner@gunsandbutter.org.

Siga-nos no Twitter @gandbradio.